Meus pais me amam???

novembro 27, 2009

 

Meus pais me amam???

26 novembro, 2009 18:30
 
Na fase da pré-adolescência e adolescência é comum acontecer um certo distanciamento entre os pais e os filhos, porque a cabeça , os conceitos, os valores da galerinha estão em constante mudança, e os pais por sua vez não conseguem entendê-los ou acompanhar tantas e tão rápidas transformações. Na maioria das vezes os pais acham que o filho quer distância e procura respeitar sua opinião, mas a verdade é que muitas vezes o que os filhos tentam demonstrar com determinadas atitudes, mesmo que inconscientemente é que precisam ser amados, precisam de limites, atenção e presença de pai.

Vou falar para os filhos:

– Galera, é tanta correria, tantos afazeres, trabalho, reuniões, busca por emprego ou promoção de cargo, compromissos… tudo isso gera essa ausência de pai em casa que às vezes nos leva a pensar que nossos pais não ligam pra gente ou que não somos amados. Mas saiba meu amigo(a) que o que geralmente acontece é que nossos pais amam sim, só talvez ainda não encontraram a forma certa de fazer com que você se sinta amado. Muitos pais não conseguem dizer “eu te amo, meu filho!” ou fazer um carinho, passar algumas horas com você, ou demonstrar qualquer gesto de AMOR AFETIVO (amor que demonstra afeto). Mas eles acreditam que podem te amar te dando coisas, te dando um bom estudo, boas roupas, um plano de saude, ou se matando de trabalhar para te dar de comer, e isso também é amor: AMOR EFETIVO ( cuida sem esperar nada em troca). Ele está te amando, o problema é que você não sente esse amor. Mas eles amam! E isso é que eu quero falar pra você meu amigo tween ou teen: seus pais te amam! Ponto!

Agora quero falar para os pais:

– Querido pai e mãe, aí bem perto de vocês existe um ser que está vivendo um turbilhão de coisas dentro dele, não sabe se é criança, não sabe se é adulto, está a procura de amizades, a procura de um grupo com quem se identifique, está a procura de respostas e a procura de muito amor. E se vocês pai e mãe não derem o que essa criatura precisa, ela vai buscar lá fora da tua casa e pode ser que encontre da maneira mais errada. Amar não custa dinheiro, custa decisão! Talvez o que seu filho precise hoje seja um abraço, um beijo, um “eu te amo”, um colo, uma pergunta: “e aí, tudo bem?” Eu sei que você pode estar falando: “Mas meu filho mal conversa comigo! Ele se isola” Além de decisão, amar custa tempo, vá aos poucos, pai, vai entrando devagarinho, mas comece! E comece logo, porque o amor que você der a seu filho hoje fará dele uma pessoa melhor no futuro, uma pessoa segura, resolvida, madura afetivamente, por outro lado o amor que você reter também pode deixar marcas negativas para a toda a vida! E eu sei que não é isso que você quer! O amor efetivo que você dá é muito importante, mas que tal dar também uma pitada de amor afetivo? Vocês conseguem! Está dado o recado!

Andrea Taisa – Canção Nova – Bem da Hora


Dir.Esp. – Conhecer-se e corrigir-se – Pe. Fábio de Melo

novembro 27, 2009