Padre Fabio de Melo – Sendo Honesto Consigo Mesmo

junho 28, 2010

JESUS CRISTO NÃO ERA UM JOVENZINHO

junho 28, 2010

JESUS CRISTO NÃO ERA UM JOVENZINHO
 
 

E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem? (Mt 16,13)

Na sua adolescência Jesus estava aprendendo. Certamente ele não era um jovenzinho empolgado com algumas idéias bonitas de libertação. Não era também um adulto contente com as coisas, a ponto de achar que não havia nada que mudar, e certamente não era um velho desacostumado com as mudanças e insatisfeito com os novos caminhos do mundo.

No sentido cronológico das idades, Jesus não era um jovem quando começou a pregação do seu novo reino. Era, no máximo, um adulto recém saído da mocidade. Mas jovem ele não era!…

Sempre comecei por aí as minhas pregações para os jovens, nos quase 30 anos em que falei a eles em movimentos, retiros e colégios.  Jesus foi jovem, mas já era adulto quando começou sua missão. Durante a sua juventude ele estava crescendo em sabedoria e graça diante do Pai e da humanidade. Quem não tinha que se preparar porque trazia em si suficiente sabedoria, esperou!

Depois do episódio no templo ele esperou no mínimo mais 18 anos até começar a pregar! Um aviso aos pregadores que sobem a púlpitos e microfones sem ao menos ter lido o catecismo e a Bíblia… Vão lá repetir frases e comandos que seus mentores disseram num retiro ou num acampamento! Não basta! Conteúdo se adquire por estudo e não por osmose! 

E ao catequizando que me pergunta não posso garantir que Jesus tivesse sido jovem em espírito, mesmo porque não sei se tal coisa de fato exista: um homem de trinta ou quarenta anos com coração e ideais de jovem… E por que não pode ser coração e ideal de adulto? Tem que ser jovem para ter ideal e ser ousado e corajoso? A sabedoria e a covardia estão em todas as idades! Não estamos usando demais o General McArthur para agradar um ser humano jovem, quando repetindo seu discurso poético, mas não necessariamente filosófico, dizemos que adultos ricos de conteúdo como Nelson Mandela ou Mahatma Ghandi eram jovens em espírito? Jesus que foi criança, jovem e jovem adulto não precisou passar por jovem para dizer o que disse e fazer o que fez.  Descanonizemos a idade, porque há velhos e adultos imaturos e jovens maduros, e há jovens imaturos e adultos maduros.

A juventude, em todos os tempos, foi tempo de amadurecer, mas a pressa de alguns era e é tamanha que milhões apodreceram antes de amadurecer! Foi e é o caso das vitimas da prostituição, do ódio, do banditismo, da droga e da violência. Essas coisas envelhecem antes do tempo! Um jovem mergulhado no crack jogou fora a sua juventude. Restou-lhe apenas a idade cronológica!

Como Jesus era normal, suponho que ele não tenha tido a necessidade de fingir uma idade que não tinha. Assim, não creio que ele tenha jamais dito aos seus discípulos que fossem jovens de espírito como ele, simplesmente porque seu espírito era de um homem vivendo a realidade da vida, com coração e ideais de adulto que ele era.

Modelo para os jovens

Jesus, porém, continua sendo o modelo da juventude, porque, no tempo em que foi jovem, segundo nos conta o evangelista, que é bem menos suspeito do que nós para falar dessas coisas, viveu com gente que sabia das coisas e soube crescer e amadurecer em graça. Foi mais uma das suas kênosis dentro da sua grande kênosis.

Homem livre

Livre ele era! Livre de verdade a ponto de se comprometer, mas não por ódio, não por frustração, não por idealismo infantil ou juvenil, não por revolta, não por misticismo ou arroubos e êxtases de entusiasmo religioso. Ele se emocionava, mas controlava muito bem suas emoções. Comprometeu-se por amor, pura e simplesmente por amor! E propôs aos doze que fossem como ele: de coração sereno e despretensioso, manso e humilde! (Mt 11,29) O jugo dele não feria e o fardo dele era suportável. Não se dá o mesmo com o jugo e o fardo do mundo!  A paz dele era diferente da paz que o mundo dá. (Jo 14,27)

Teciam comentários

Um dia, segundo nos narra o evangelista (Jo 7, 25 a 51) Jesus começou a ser comentado.  Teciam comentários sobre o rapaz de Nazaré. “É um sonhador, é um místico alienado, ele pensa que é mais do que nosso profetas, está planejando uma revolução, ensaia um golpe de Estado e um novo reino, vai se dar mal, coitado, tão bonzinho e com essas idéias”…  Havia comentários de todos os costados, mas, de todos, como não podia deixar de ser, os mais entendidos eram os vizinhos e conterrâneos. Afinal, eles conheciam o filho do carpinteiro (Mt 13, 57) Se não estudara para ser rabino, onde ele aprendera aquilo que andava dizendo?

Dificuldades

As coisas não foram fáceis pra Jesus. E não são fáceis para qualquer jovem de hoje que tenha a coragem de abraçar algum ideal na vida, especialmente para aqueles que sonham ser padres. Não em tempos que acentuam a pedofilia de alguns e esquecem os inúmeros mártires que deram seu sangue pelo Reino!

Foi o que eu disse sem pestanejar a um senhor que se dizia convertido a uma novel igreja do Brasil, ao falar com ironia dos padres pedófilos.  Disse-lhe que Jesus não me permitia falar o que sei dos pregadores da igreja dele, mas pedi que ele mostrasse os mártires da sua novel igreja e eu mostraria os da nossa. Antes disso, era melhor ele não partir para a ironia! Não sei de ninguém da igreja dele que morreu defendendo os pobres e os pequenos. Mas tenho uma grande lista de mártires católicos e cristãos de algumas igrejas evangélicas históricas que, na América Latina, deram a vida pelo seu povo. Que ele me mostrasse a lista deles!

O Jesus que conheço não era jovem, mas não chegou à velhice> Motivo: ousou dizer o que a sociedade do seu tempo não queria ouvir!

Fonte: http://www.padrezezinhoscj.com/interna.php?arquivo=ok&flag_area=palavra&id_palavra=125