PROF FELIPE AQUINO – O QUE DESTROI UM CASAL

outubro 3, 2010

O MISTÉRIO DA IGREJA

outubro 3, 2010

No mistério da Igreja resplandece sua beleza

A Igreja é, antes de tudo, um mistério. Ela está associada de modo íntimo ao mistério de Jesus e, como tal, é parte integrante do plano salvífico de Deus para todos os povos. “Nela se revela o ‘mistério’ do desígnio eterno de Deus, que é o de dar à humanidade o acesso à salvação em Cristo e fazê-lo Chefe universal da Criação”[1]. Quando afirmamos ser a Igreja um mistério – mysterium -, intencionamos dizer que a Igreja ultrapassa seu aspecto visível e humano. Nela, no seu interior, habita a graça de Deus, que, conforme o Plano de Salvação, ordena-se à salvação, santificação ou divinização dos homens. A Igreja, assim, é uma realidade humano-divina.

A Igreja remonta ao próprio Jesus[2]. Jesus é seu divino fundador: esta é uma proposição constantemente afirmada pelo Magistério e confirmada pelo Concílio Vaticano II: “O mistério da santa Igreja manifesta-se na sua fundação. Pois o Senhor Jesus iniciou a sua Igreja pregando a boa-nova, isto é, o advento do Reino de Deus prometido nas Escrituras…”[3]. Tendo sua base na vida e ministério de Jesus de Nazaré, que, num processo de continuidade na descontinuidade com o Antigo Testamento, quis reunir um novo povo de uma nova e definitiva Aliança em seu sangue, a fundação da Igreja consolidou-se com a experiência da ressurreição e a infusão do Espírito Santo, o que garantiu aos apóstolos e discípulos a força e o vigor necessários de anunciar com destemor a vitória de Cristo sobre a morte vergonhosa da cruz e o plano de Deus a respeito dos Homens em Cristo. O livro canônico neotestamentário dos Atos dos Apóstolosoferece-nos uma excelente leitura teológica dos primeiros passos da Igreja, o novo povo de Deus reunido em Cristo, a caminho do Reino definitivo. Nos Atos, a Igreja, na qual os Homens entram pelo Batismo, nos é apresentada como comunidade guiada pelo Espírito de Cristo e vivificada pela vida divina.

A existência da Igreja do Novo Testamento está em perfeita linha de continuidade com o modo pelo qual Deus quis se manifestar ao Homem, isto é, está em linha de continuidade com a estrutura sacramental da Revelação. Deus quis manifestar-se de modo visível. A humanidade de Cristo é o grande sacramento de Deus entre nós. A Igreja, por sua vez, é a comunidade estruturada visivelmente neste mundo, na qual e pela qual a vida divina em Cristo e pelo Espírito é comunicada aos Homens. Se Cristo é o sacramento do Pai, a Igreja é o sacramento de Cristo. A Igreja, assinalada por notas sensíveis, como a unidade, a santidade, a catolicidade e a apostolicidade, é não apenas obra humana, mas, ao mesmo tempo, divina e humana, uma vez que Deus quis assumir seu aspecto visível e humano como portador da vida divina que nos configura a Cristo pelo Espírito. O Vaticano II afirma:

O único Mediador Cristo constituiu e incessantemente sustenta aqui na terra Sua santa Igreja, comunidade de fé, esperança e caridade, como organismo visível pelo qual difunde a verdade e a graça a todos. Mas a sociedade provida de órgãos hierárquicos e o corpo místico de Cristo, a assembléia visível e a comunidade espiritual, a Igreja terrestre e a Igreja enriquecida de bens celestes, não devem ser consideradas duas coisas, mas formam uma realidade complexa em que se funde o elemento divino e humano. É por isso, mediante uma não medíocre analogia, comparada ao mistério do Verbo encarnado. Pois como a natureza assumida indissoluvelmente unida a Ele serve ao Verbo Divino como órgão vivo de salvação, semelhantemente o organismo social da Igreja serve ao Espírito de Cristo que o vivifica para o aumento do corpo (cf. Ef 4,16)[4]

Com efeito, a obra de Cristo não foi deixada ao léu ou ao vento. No plano de Deus, a Igreja, herdeira das antigas promessas e povo escatológico reunido em vista da plena manifestação do Reino, ocupa um lugar insubstituível. É certo que Cristo é o único mediador da nova Aliança; entretanto ele quis tornar-se presente ao longo dos séculos pelo ministério da Igreja. Cristo vive a atua na e pela Igreja. Por isso a Igreja é necessária para a salvação[5]. “A Igreja é este o Corpo do qual Cristo é a Cabeça: ela vive dele, nele e por ele; ele vive com ela e nela”[6].

Por tudo isso, podemos dizer com Santo Tomás que “a beleza da Igreja consiste, antes do mais, na sua riqueza interior; mas a sua atividade exterior contribui para tanto na medida em que ela procede do interior e conserva essa beleza interior”[7].

Com isso não negamos que o pecado esteja presente na Igreja, uma vez que ela se compõe também do elemento humano, e, por isso mesmo, ela está sempre necessitada de renovação; entretanto afirmamos que a fidelidade de Deus não depende dos méritos humanos, de modo que a Igreja é seu sacramento indefectível; nela sempre podemos encontrar o Cristo, apesar do pecado de seus filhos. Assim, a Igreja é indefectivelmente santa e bela, na medida em que é sinal indefectível da presença de Cristo pelo Espírito.

Fonte: http://www.catequisar.com.br/texto/colunas/elilio/30.htm