FELIZ 2011

dezembro 31, 2010

QUE O SENHOR QUE É RICO EM MISERICÓRDIA DÊ A TODOS NÓS UM ANO DE AMOR, PAZ, SAÚDE E PROSPERIDADE E QUE MARIA SANTÍSSIMA INTERCEDA POR CADA UM DE NÓS JUNTO AO PAI.


PADRE FABIO DE MELO – TER ATITUDE NA VIDA

dezembro 30, 2010

ORAÇÃO EM AÇÃO DE GRAÇAS PARA O ÚLTIMO DIA DO ANO

dezembro 30, 2010

 

 Te Deum

(A vós, ó Deus)

Concede-se indulgência parcial ao fiel que recitar o hino Te Deum (A vós, ó Deus) em ação de graças, e será plenária, quando recitado em público no último dia do ano.

A vós, ó Deus, louvamos,

a vós, Senhor, cantamos.

A vós, eterno Pai,

adora toda a terra.

A vós cantam os anjos,

os céus e seus poderes:

Sois Santo, Santo,

Santo, Senhor, Deus do universo!

Proclamam céus e terra

a vossa imensa glória.

A vós celebra o coro

glorioso dos Apóstolos.

Vos louva dos Profetas

a nobre multidão

e o luminoso exército

dos vossos santos mártires.

A vós por toda a terra

proclama a Santa Igreja,

ó Pai onipotente,

de imensa majestade.

E adora juntamente

o vosso Filho Único,

Deus vivo e verdadeiro,

e ao vosso Santo Espírito.

Ó Cristo, Rei da glória,

do Pai eterno Filho,

nascestes duma Virgem,

a fim de nos salvar.

Sofrendo vós a morte,

da morte triunfastes,

abrindo aos que têm fé

dos céus o reino eterno.

Sentastes à direita

de Deus, do Pai na glória.

Nós cremos que de novo

vireis como juiz.

Portanto, vos pedimos:

salvai os vossos servos,

que vós, Senhor, remistes

com sangue precioso.

Fazei-nos ser contados,

Senhor, vos suplicamos,

em meio a vossos santos

na vossa eterna glória.

(A parte que segue pode ser omitida, se for oportuno.)

Salvai o vosso povo.

Senhor, abençoai-o.

Regei-nos e guardai-nos

até a vida eterna.

Senhor, em cada dia,

fiéis, vos bendizemos,

louvamos vosso nome

agora e pelos séculos.

Dignai-vos, neste dia,

guardar-nos do pecado.

Senhor, tende piedade

de nós, que a vós clamamos.

Que desça sobre nós,

Senhor, a vossa graça,

porque em vós pusemos

a nossa confiança.

Fazei que eu, para sempre,

não seja envergonhado:

Em vós, Senhor, confio,

sois vós minha esperança!

Fonte: http://www.derradeirasgracas.com/2.%20Segunda%20Página/Documentártio%20da%20Igreja/MANUAL%20DAS%20INDULGÊNCIAS%20.htm#Oração Te Deum.


UM PAI QUE NÃO REZA

dezembro 29, 2010

 

 

 
Artigo visto: 20 – Impresso: 0 – Enviado: 0 – Salvo em Word: 0
Postado em 28/12/10 às 08:43:25 por: Andrea
 
Ao pé do leito, Pedrinho (quatro anos e meio) faz a sua oração que parece bem comprida.
– Então não acabaste ainda a oração? – pergunta a senhora.
– Já – responde a criança embaraçada.
– Mas então que estás aí a fazer?

 

A criança cora e murmura timidamente:
– É que eu faço duas cada noite: a minha e a do Papai; ouvi-o dizer à mamãe que não estava disposto para rezas; faço-a eu por ele.
Precocidade? Sim. E as crianças não têm perspicácias destas que nos desnorteiam?
Ah! esses pais que julgam poder ser incoerentes diante dos filhos! Como eles ignoram as exigências desses cerebrozinhos, desses corações infantis!
E como sabem também os filhos aproveitar-se do que se diz diante deles!
Uma protestante convertida ao catolicismo, Lady Baker, conta no seu livro La Maison de Lumière, como criança ainda, – tinha onze anos aproximadamente, e, claro esta, pertencia como seus pais a Religião Reformada – lhe acontecera surpreender uma conversa entre seu pai e sua mãe. Dizia o pai: “Ouvi hoje um bom sermão; demonstrava-se que as Reformas fora um erro e que a Inglaterra teria passado muito bem sem ela.”
“Psiu! interrompe a mãe escandalizada, cuidado que as crianças podem ouvir!”.
“Retiraram-se da sala de estudos, escreve Lady Baker, e não ouvimos mais nada. Mas comecei logo a maturar sobre essas estranhas palavras”. Nessa mesma tarde, em passeio, pedia ela à criada para entrar numa igreja católica. A partir dessa data germinara nela o desejo de estudar as origens da peseudo-Reforma, e, no caso em que seu pai tivesse dito a verdade, de mudar mais tarde de religião.
Graças a Deus, não perdi o hábito da oração. Mas talvez, por qualquer pretexto, eu não mostre bastante a meus filhos que oro. São efetivamente duas coisas distintas: orar e deixar perceber aos filhos que se ora. Não me basta, pois, orar só para mim. O meu dever de chefe de família é orar em nome da família, diante da família e com a família. É necessário que os meus filhos saibam que o seu pai honra a Deus, e aprendam, a exemplo seu, o grande dever da adoração e do culto. A oração, e da noite pelo menos, deve ser feita em comum.
Em muitos lares onde no fim do dia todos se reúnem para honrar a Deus, é a mãe quem preside à oração, o que mais tarde fará cada filho, por ordem. Melhor seria que fosse o pai. É uma função que lhe pertence, uma função em certo modo sacerdotal, falando num sentido lato…
(Cristo no lar, meditações para pessoas casadas, por Raúl Plus, S.J, tradução de Pe. José Oliveira Dias, S.J. ; 2ª Edição, Livraria Apostolado da Imprensa, 1947, com imprimatur)

Fonte: http://www.espacomaria.com.br/?cat=8&id=3018


ORAÇÃO DE LIBERTAÇÃO COM PADRE MOACIR ANASTÁCIO

dezembro 28, 2010

TENHO CONFIADO EM DEUS OU EM MIM MESMO?

dezembro 28, 2010

Imagem de Destaque

Tenho confiado em Deus ou em mim mesmo?

Nem sempre é possível caminhar amparado pelas certezas
É feliz quem na vida apreende com tudo o que ela proporciona, e quem consegue perceber nos fatos, nas alegrias e nas decepções realidades que acrescentem positivamente ao próprio universo de compreensão a respeito da existência. Em algumas situações parece que a vida nos “puxa o tapete”, quando vemos nossos sonhos e tudo o que construímos desmoronar. Tais situações podem nos ensinar muito, nos levando a compreender a vida de maneira mais autêntica e acompanhada por Deus.

Muitas vezes, sentimos “sumir nosso chão” quando algo que desejávamos muito nos é tirado, e quando o que queríamos não acontece; porém, diante de tais situações é preciso que o coração questione se, de fato, a realidade com a qual sonhávamos era o melhor para nós.

É difícil ver nossos projetos desmoronarem, mas esses são momentos privilegiados para constatarmos se esses eram verdadeiramente os sonhos de Deus para nós.

Deus sabe o que é melhor para nós, Ele consegue enxergar além do que conseguimos compreender, e quando entregamos a Ele as rédeas de nossa vida Sua ação se faz real em tudo e através de tudo, nos retirando de caminhos tortuosos e nos conduzindo pela estrada certa, mesmo quando não somos capazes de perceber.

Muitas vezes, construímos nossa história e pautamos nossas escolhas em ideais puramente nossos, nos amparando somente naquilo que são nossas convicções pessoais, sem submeter a Deus nossa vontade. Agindo assim corremos o risco de viver constantemente frustrados, em virtude de termos confiado em nossas próprias forças e não n’Aquele que verdadeiramente sabe do que precisamos.

Deus nos conhece melhor que nós mesmos; Ele sabe o que, de fato, nos realizará em nossa essência.
O Cristianismo é um território onde a confiança se estabelece como “necessidade”, pois nem sempre é possível caminhar amparados pelas certezas nas quais desejaríamos ancorar nossa história.

A certeza que precisa ancorar nossos passos é aquela que brota confiança no Deus que cuida de nós e que sempre tem o melhor para nós, mesmo quando tudo parece escuro.

 Deus sempre está agindo, nos moldando e nos fazendo melhores. É preciso que confiemos n’Ele e em Sua maneira de agir, e não somente em nossas potencialidades e convicções.

Deus tem o melhor para nós, Ele sempre tem… É preciso confiar e permitir que Ele conduza todas as coisas, pois Ele sabe o que é o melhor.

Foto

Adriano Zandoná
verso.zandona@gmail.com
Adriano Zandoná Seminarista e Missionário da Comunidade Canção Nova. Reside na Missão de Cachoeira Paulista. É formado em Filosofia e em Teologia, e está preparando-se para a Ordenação Diaconal. Atualmente trabalha na Rádio Canção Nova, onde apresenta o programa “Viver Bem”. Acesse: blog.cancaonova.com/adrianozandona e acompanhe outros artigos do autor.

24/12/2010
 

PADRE LÉO – A CURA DO RESSENTIMENTO

dezembro 27, 2010

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Parte 5

Parte 6