JEJUM E CONFISSÃO

agosto 31, 2011

 

 
JEJUM E CONFISSÃO
 
Pelo jejum, dominamos nossos próprios instintos e paixões, especialmente os excessos da gula, da sexualidade, da bebida, do pecado: dessa forma, o jejum terá o objetivo de nos moderar, eliminando excessos que prejudicam nosso equilíbrio.

Além do sentido de penitência e mortificação dos sentidos, o jejum nos ensina a ser solidários para com os mais necessitados, aproximando-nos de Deus.
Todo sacrifício que se faz, na perspectiva da fé e do amor, é oferta agradável ao Senhor, que não quer nossos sacrifícios nem nossos holocaustos, mas nossa obediência, isto é, nosso amor.
Na confissão, o ato essencial da parte do penitente é a conversão do coração e da mente, ou seja, a rejeição clara e inequívoca do pecado, com o firme propósito, nascido do arrependimento, de não voltar a ofender a Deus.

A confissão é difícil? Sim e não.

Existe, naturalmente, a dificuldade de desnudar a alma, com todas as suas misérias, diante de outro ser humano. Mas, ao extirpar de si o mal pela confissão, a gente se sente aliviada Quem não teve um dia experiência como esta?

A confissão dos pecados, porém, é preciso dizer, não é feita para conseguir um desabafo psicológico. Na realidade, contudo, vem a ser uma esplêndida terapia.

Nós, os seres humanos, não somos espírito nem matéria, mas ambas as coisas num só corpo. E funcionamos pela matéria, uma vez que nada existe no entendimento que não haja passado pelos sentidos. Assim, nosso mundo exterior tem sua expressão em gestos e palavras.

Necessitamos ouvir que estamos perdoados, é preciso que o digam, com palavras e gestos.

Jesus, ao perdoar o paralítico, disso isto a ele e disse-o também a Madalena. Em outros casos, ele o fazia com um gesto de amizade, como o que teve para com Zaqueu, quando convidou-se para jantar em casa dele, ou para com Levi, ao chamá-lo para sua companhia.

No tribunal da misericórdia, a confissão, o assunto é resolvido entre o penitente e Deus. Deus é o juiz, e ele age por meio do sacerdote. Se, no entanto, o pecador não expuser com precisão o estado de sua consciência, como poderá o sacerdote conhecer a causa de suas transgressões, para absolver ou reter seus pecados?

Não esqueçamos que quem perdoa na penitência, por meio do sacerdote, é Cristo.

Fontes Consultadas:
(Jejum: o que é, como se faz — Patrício Sciadini, OCD)
(Texto adaptado de A P

http://www.espacomaria.com.br/?cat=8&id=3589

 

Anúncios

PADRE JOSE AUGUSTO: NÃO COMPACTUE COM AS OBRAS DAS TREVAS

agosto 30, 2011

PAPA BENTO XVI: “SE ALGUÉM QUER ME SEGUIR, RENUNCIE A SI MESMO, TOME A SUA CRUZ E ME SIGA”

agosto 30, 2011

 

Angelus do Papa Bento XVI

“Se alguém quer me seguir, renuncie a simesmo, tome a sua cruz e me siga”

28/08/2011 – Castel Gandolfo: Bento XVI assomou, ao meio-dia deste domingo, ao balcão que dá para o pátio interno da residência pontifícia de Castel Gandolfo – onde se encontra neste período de verão europeu – para rezar com milhares de fiéis e peregrinos presentes a oração do Angelus.

Caros irmãos e irmãs,
No Evangelho de hoje, Jesus explica aos seus discípulos que deverá ir a Jerusalém e sofrer muito da parte dos anciãos, dos sumos sacerdotes, dos escribas, ser morto e ressuscitar no terceiro dia (Mt 16,21). Tudo parece mexer com o coração dos discípulos! Como é possível que o Cristo, o Filho do Deus Vivo, possa padecer até a morte? O apóstolo Pedro se revolta, não aceita este caminho, toma a palavra e diz ao Mestre: “Deus não pode querer isto, Senhor; isto não te acontecerá nunca! (v,22)
Parece evidente a divergência entre o desígnio de amor do pai, que chega ao ponto de doar seu Filho Unigênito à cruz para salvar a humanidade, e as expectativas, os projetos e os desejos dos discípulos. Este contraste se repete também hoje: quando a realização da própria vida se orienta somente ao sucesso social, ao bem estar físico e econômico, não se raciocina mais segundo Deus, mas segundo os homens (v.23).

Pensar segundo o mundo é colocar Deus à parte, não aceitar o seu projeto de amor, quase impedir-lhe de cumprir o seu sábio querer. Por isto, Jesus diz a Pedro uma palavra particularmente dura: “Afaste-se de mim Satanás! Tu és para mim um escândalo”. O Senhor ensina que o caminho dos discípulos é seguir a Ele, o crucificado. Em todos os três Evangelhos se explica este  segui-lo a partir da  cruz… o caminho do perder a si mesmo, que é necessário para o homem e sem o qual não é possível encontrar a si mesmo (Jesus de Nazaré, 2007,333)
Como aos discípulos, assim também a nós o Senhor faz um convite: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga” (Mt 16,24). O cristão segue o Senhor quando aceita com amor a própria cruz, que aos olhos do mundo parece uma derrota e uma perda de vida, mesmo sabendo que não a leva sozinho, mas com Jesus, dividindo o mesmo caminho de doação dele.

O servo de Deus Paulo VI, escreve: “Misteriosamente, o próprio Cristo, para arrancar do coração do homem o pecado de presunção e manifestar ao Pai uma obediência íntegra e filial, aceita morrer sobre a cruz. (Ex. Apost. Gaudete in Domino – 9 de maio de 1975).Aceitando voluntariamente a morte, Jesus leva a cruz de todos os homens e se torna fonte de salvação para toda a humanidade. São Cirilo de Jerusalém comenta: “A cruz vitoriosa iluminou quem se tornou cego pela ignorância, liberou quem era prisioneiro do pecado, levou a redenção a toda a humanidade” (Catechesis illuminandorum XIII,1): de Christo crucifixo et sepulto PG 33, 772 b).
Confiemos a nossa oração à Virgem Maria e a Santo Agostinho, do qual hoje se faz memória, a fim que cada um de nós saiba seguir o Senhor no caminho da cruz e se deixe transformar pela graça divina, renovando o modo de pensar para poder discernir a vontade de Deus, aquilo que é bom, aquilo que o agrada e é perfeito (Rom,12,2).

Fonte: Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé.

Extraído do site: http://www.derradeirasgracas.com/3.%20Papa%20Bento%20XVI/Angelus%20do%20Papa%20Bento%20XVI%2028.08.2011%20.htm


SORRINDO PRA VIDA: AS RIQUEZAS DESTE MUNDO TRAZEM FALSAS ALEGRIAS

agosto 29, 2011

O SEGUIMENTO A JESUS NA CRUZ

agosto 29, 2011

Padre José Augusto
Foto: Clarissa Oliveira/Cancaonova.com
O seguimento a Jesus na Cruz 

Hoje Jesus nos faz um grande convite, mais que um convite, um chamado, Ele nos chama a seguí-lo!

Muitas vezes quando se fala em seguir Jesus já se pensa em ser padre, freira ou missionários. Mas todos nós somos chamados a seguir Jesus, porque Ele é o nosso Deus. Muitos querem seguir Jesus na facilidade. Porem o seguimento de Jesus é um seguimento exigente, foi assim no passado é hoje e no futuro irá continuar sendo assim. Facilidade no seguimento de Jesus nós só teremos no céu!

No Evangelho de hoje que está em Mateus 16,21-27 diz o seguinte: Os discípulos de Jesus já estavam seguindo Jesus há 3 anos e a cada dia eles ficavam mais entusiasmado com o que eles viam Jesus realizar tantas curas, tantos milagres e agora está Jesus em Cesaréia de Felipe, lá existia um templo dedicado a um deus chamado Banha que era o deus da água. Certo momento, Jesus chama seus discípulos e pergunta: “Jesus foi à região de Cesaréia de Filipe e ali perguntou aos discípulos: “Quem é que as pessoas dizem ser o Filho do Homem?” Eles responderam: “Alguns dizem que és João Batista; outros, Elias; outros ainda, Jeremias ou algum dos profetas”. “E vós”, retomou Jesus, “quem dizeis que eu sou?” Simão Pedro respondeu: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. Jesus então declarou: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne e sangue quem te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso, eu te digo: tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e as forças do Inferno não poderão vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”. Em seguida, recomendou aos discípulos que não dissessem a ninguém que ele era o Cristo.”

Ai esse mesmo Pedro leva Jesus a parte e diz a Jesus: “Então Pedro o chamou de lado e começou a censurá-lo: “Deus não permita tal coisa, Senhor! Que isto nunca te aconteça!” Pedro disse isso a Jesus porque não queria ver Jesus sofrer “Jesus, porém, voltou-se para Pedro e disse: “Vai para trás de mim, satanás! Tu estás sendo para mim uma pedra de tropeço, pois não tens em mente as coisas de Deus, e sim, as dos homens!” Então Jesus disse aos discípulos: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Não conseguimos ver Jesus sem a Cruz;

A Cruz não é perdição nem condenação, mas sim o motivo da nossa Salvação!
Foto: Clarissa Oliveira/Cancaonova.com

Jesus tomou a sua Cruz e seguiu. Precisamos seguir seus passos, Jesus á nossa frente e nós atrás.


A maravilha da cruz que faz parte do seguimento do Senhor é escondida por nós cristãos.


Jesus disse para seguirmos os seus passos; se me mataram a Jesus, também vão te matar, mas si com Ele morrermos, com Ele ressuscitaremos!


Pedro seguiu os passos de Jesus e acompanhe comigo em Atos 5,40“Chamaram os apóstolos, mandaram açoitá-los, proibiram que eles falassem no nome de Jesus e soltaram-nos. Os apóstolos saíram do Conselho, alegres por terem sido considerados dignos de injúrias por causa do nome de Jesus. E cada dia, no templo e pelas casas, não cessavam de ensinar e anunciar que Jesus é o Cristo.” Os discípulos se gloriavam por terem sofrido por causa de Cristo. Nós também precisamos mostrar ao mundo que até no sofrimento podemos seguir Jesus Cristo. Na dor não abandone Jesus. O mundo precisa de gente que dê o testemunho da cruz. Esse testemunho arrasta multidões!

O mundo precisa de gente que dê o testemunho da cruz
Foto: Clarissa Oliveira/Cancaonova.com

Você sabe como foi a morte de Pedro? Ele morreu crucifixado como Jesus foi crucifixado, e na hora que ele foi ser crucificado pelos seus algozes, ele pediu para que virasse ele de cabeça para baixo, porque ele não se achava digno de morrer como o seu senhor.

Você certamente já ouviu o testemunho de São Paulo como foi a sua conversão (Atos9,1-31) Paulo sofreu, apanhou muito por causa de Jesus. Assim como narra em Atos 21,13 Mas Paulo respondeu: “O que estais fazendo, chorando e afligindo o meu coração?” Eu estou pronto, não somente para ser preso, mas até para morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus”. Não conseguimos convencê-lo. Então desistimos, dizendo: “Seja feita a vontade do Senhor”. São Paulo morreu decapitado, morto pela espada!

Viu como é seguir Jesus! Aqui nós seguimos o que Jesus disse: Mateus 16, 25 “Pois quem quiser salvar sua vida a perderá; e quem perder sua vida por causa de mim a encontrará.” Carregue a sua cruz e faça os outros feliz! Precisamos pensar no verdadeiro significado do que é seguir Jesus Cristo!

Na alegria do sofrimento você encontrará a sua felicidade!Não murmure diante do sofrimento, submeta-se a Deus!
O que é loucura para o mundo é graça diante de Deus. Saiba se submeter aos Senhor assim como Ele se submeteu ao Pai na cruz.Não existe cristianismo sem sofrimento, enquanto tiver sofrimento para o cristão terá Cristo dando força aos cristãos Na segunda leitura de hoje (Romanos 12,1-2) está escrito: “Pela misericórdia de Deus, eu vos exorto, irmãos, a vos oferecerdes em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus: este é o vosso culto espiritual. Não vos conformeis com o mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar e de julgar, para que possais distinguir o que é da vontade de Deus, isto é, o que é bom, o que lhe agrada, o que é perfeito.” Você também é chamado a oferecer o seu sacrifício no altar do Senhor, como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, para que tudo isso se torne Cristo Jesus. Ninguém pode impedir que você vai a missa, pois é nela que você encontrará forças para suportar a cruz!

É precisamos oferecer diariamente o nosso sofrimento a Deus, como o próprio fez Cristo. E no céu só teremos alegria, mas até chegarmos lá precisamos nos oferecer diariamente a Deus! E atravéz do sofrimento podemos nos unir a Cristo que padece! Quando o sofrimento bater em sua porta, oferte a Deus!

Transcrição e Adaptação: Mariana L.Gabriel

Fonte:http://www.cancaonova.com/portal/canais/eventos/novoeventos/cobertura.php?cod=2592&pre=7108&tit=O%20seguimento%20a%20Jesus%20na%20Cruz


PADRE LÉO: QUEM SÃO SEUS ÍNTIMOS

agosto 28, 2011

O AMOR PODE TERMINAR

agosto 28, 2011

Imagem de Destaque

O amor pode terminar?

O amor precisa ser nutrido por fatos

Quando tempo pode durar o casamento? Ou ainda, quando é que ele começa a desmoronar? Até há pouco, pensava-se que as primeiras crises chegassem depois de sete anos de “feliz” convivência. Em seguida, o tempo se abreviou, e o prazo de sua validade foi reduzido para cinco anos. Ultimamente, um levantamento feito pela Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, com aproximadamente 10 mil casais, descobriu que o amor não sobrevive mais de três anos – dado que coincide com outro estudo feito no Reino Unido, entre 2 mil casais.

«Paixão eterna só existe na ficção», afirma o psicólogo Bernardo Jablonksi, autor do livro: “Até que a vida nos separe: a crise do casamento contemporâneo”. Contudo, as diversas separações pelas quais ele atravessou podem provir do fato de ter identificado o amor com a emoção: «Na paixão, você sofre, deixa de se alimentar, não consegue dormir. Não poder durar!».

Dessa confusão não escapa outro psicólogo de renome, Aílton Amélio. Fundamentado no princípio de que tudo na vida precisa ser alimentado para não morrer, ele conclui: «O amor pode terminar, porque precisa ser nutrido por fatos. É como andar de motocicleta: se parar, cai».

Apesar da dificuldade de distinguir as coisas, o cineasta Roberto Moreira consegue descortinar uma luz no fundo do túnel: «O amor pode ser eterno, mas a probabilidade é pequena. Relacionamento que dure mais de dez anos é um sucesso». Referindo-se ao seu filme “Quanto dura o amor?”, lançado em 2009, Moreira apresenta a solução do enigma: «Talvez o melhor título fosse “Quanto dura a paixão?”, porque o amor só existe quando o parceiro deixa de ser uma projeção nossa».

Como já se tornou lugar-comum afirmar, amor é a palavra mais inflacionada do planeta. Diz tudo e não diz nada! Pode ocultar um egoísmo tão atroz que seu fruto é o desespero e a morte.

Contudo, para os cristãos, sua realidade resplandece como o sol. Quem encontrou seu pleno significado foi o evangelista São João. Por que ele é o único dos apóstolos que, por mais vezes, se declara o “discípulo amado” por Jesus? A resposta é simples e… deslumbrante: porque foi ele quem escreveu a página mais comovedora da Bíblia e fez a descoberta mais revolucionária da história: «Deus é amor. Quem permanece no amor permanece em Deus, e Deus permanece nele» (1Jo 4,16).

Mas, o que é o amor? Eis a resposta de São João: «Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: em nos ter enviado ao mundo o seu Filho único, para que vivamos por Ele. O amor consiste no seguinte: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi Ele que nos amou e nos enviou o seu Filho para nos libertar de nossos pecados» (1Jo 4,9-10).

Para São João, amar é dar o que de melhor existe no coração humano – sem dúvida, fruto do sacrifício – para que a pessoa que está ao lado tenha uma vida digna e plena. Assim como faz Deus, que oferece o que de mais precioso tem: Seu Filho Jesus. Amar é sair de si mesmo, é esvaziar-se de seus interesses para que o outro se liberte e se promova, em seu sentido mais verdadeiro e profundo. Por isso, o amor exige autodomínio e heroísmo ao pedir que nos coloquemos diante de cada pessoa sem levar em conta as emoções, as mágoas, os apegos e os preconceitos que se aninham em nosso coração. Amar é tomar sempre a iniciativa: «Não fomos nós que amamos a Deus, mas foi Ele que nos amou e enviou o seu Filho».

O amor humano, embora bonito, misterioso e arrebatador, não é suficiente para preencher o espírito humano. Se é indispensável para iniciar um casamento, é insuficiente para mantê-lo de pé a vida inteira: «O fato de sermos amados por Deus enche-nos de alegria. O amor humano encontra sua plenitude quando participa do amor divino, do amor de Jesus que se entrega solidariamente por nós em seu amor pleno até o fim» (Documento de Aparecida, 117).

O que pode acabar – às vezes, com uma rapidez tão espantosa que se transforma em seu contrário – é a emoção, o sentimento, a emotividade. Mas o amor verdadeiro nunca termina, simplesmente porque se identifica com Deus. Nessa simbiose divina, ele passa a ter a fisionomia de Deus: paciente e prestativo, humilde e perseverante, misericordioso e gratuito: «Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta» (Cf. I Cor 13,4-7).

Dom Redovino Rizzardo, cs
Bispo de Dourados – MS

25/08/2011

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12468