COMENTÁRIO DO EVANGELHO DE DOMINGO DIA 14/08/2011

agosto 13, 2011

COMENTÁRIO DO EVANGELHO DO XX DOMINGO DO TEMPO COMUM ANO: A DO DIA 14 DE AGOSTO DE 2011 FEITO PELO PADRE MATEUS MARIA, FMDJ

Clique no link abaixo e assista:

http://www.gloria.tv/?media=184516


DIA DOS PAIS: COMEMORE COM GESTOS SIMPLES

agosto 13, 2011

No próximo domingo, dia 14 de agosto, o Brasil comemora o Dia dos Pais. Essa festa foi criada nos Estados Unidos em 1909, quando uma garota, filha de um veterano de guerra, queria homenagear o pai em seu aniversário, pois ele havia criado sozinho os seis filhos, em função da morte de sua esposa. No entanto, a data só se tornou oficial no país em 1966, quando o então presidente norte-americano Lyndon Johnson decretou que todos celebrassem, no terceiro domingo de junho, essa data em homenagem aos pais.

No Brasil essa festa foi adotada no dia 14 de agosto de 1953, criada pelo publicitário Sylvio Bhering, no dia de São Joaquim, patriarca das famílias. Desde então no país todo o segundo domingo de agosto é dedicado aos genitores.

Mais do que uma data histórica, o Dia dos Pais precisa ser comemorado principalmente pelo olhar dos filhos, que devem demonstrar de coração o quanto amam e respeitam os pais.

Dunga e Filipe, seu filho
Arquivo/Cancaonova.com

Diferente de um simples dar presente, essa data precisa ir além do comercial, é necessário haver sentimento envolvido, é uma oportunidade de demonstrar seu amor. Um simples: “Eu te amo, pai!” vale muito mais do que o presente mais caro do mundo.

É necessário rever o conceito que temos de que o Dia dos Pais é apenas um dia, todos os momentos que você puder, ame o seu pai, curta o seu pai, divirta-se com ele. Pode ter a mais absoluta certeza de que, se um dia seu pai se lembrar de algo que você fez para ele, ele vai se lembrar do gesto mais simples, das brincadeiras que você fez com ele, do dia em que vocês se divertiram juntos e não do dia em que você lhe deu o presente mais caro.

Aproveite essa data para fazer a experiência de usufruir cada momento para estar com o seu pai, realize os gestos mais simples, porque são esses que fazem toda a diferença e que marcam realmente.

Se você não tem seu pai mais aqui na terra, reze por ele, relembre os momentos bons que vocês viveram juntos e também as dificuldades que enfrentaram. O amor supera tudo!

Viva um Dia dos Pais diferente neste ano e deixe uma marca em seu pai, para que nunca mais ele se esqueça dessa data e do dia que ele viveu com você.

Feliz Dia dos Pais.

Maurício Moura

Jornalista da Revista Canção Nova

Fonte: http://clube.cancaonova.com/materia_.php?id=12487


PADRE FABIO DE MELO: AJUDANDO QUEM NÃO QUER AJUDA

agosto 13, 2011

PAPA BENTO XVI: A ORAÇÃO E O SILÊNCIO

agosto 13, 2011

Catequese do Papa

 Bento XVI

A oração e

o silêncio.

10.08.2011 – Castel Gandolfo: Na residência de verão do Palácio Apostólico de Castel Gandolfo, em sua segunda audiência geral durante seu período de descanso e na penúltima antes da viagem para a Jornada Mundial da Juventude em Madri, o Papa Bento XVI convidou a todos para descobrir e contemplar a beleza da criação no silêncio para entender o que Deus nos fala. No exemplo de uma vida monástica o Santo Padre recordou a importância do silêncio para o diálogo íntimo entre o homem e seu Criador. Porque não só o corpo, mas também a alma tem suas exigências.

Queridos irmãos e irmãs,
Em cada época, homens e mulheres que consagraram a vida a Deus na oração – como os monges e as monjas – estabeleceram suas comunidades em lugares particularmente belos, no campo, nas montanhas, em vales, montanhas, lagos ou junto ao mar, ou mesmo em pequenas ilhas. Estes lugares unem dois elementos muito importantes para a vida contemplativa: a beleza da criação, que permanece àquela do Criador, e o silêncio, garantindo a partir do afastamento das cidades e dos grandes meios de comunicação.
O silêncio é a condição ambiental que melhor favorece o recolhimento, a escuta de Deus, a meditação. Já o fato de apreciar o silêncio, para deixar-se, por assim dizer, “encher-se” pelo silêncio, predispõe-nos à oração. O grande profeta Elias no Monte Horeb – isto é, o Sinai – assistiu a uma onda de vento, então, um terremoto, e, por fim, flashes de fogo, mas em nada disso reconheceu a voz de Deus, mas reconheceu-O numa leve brisa (cf 1 Reis 19,11-13).
Deus fala no silêncio, mas é preciso saber escutar. Por isso, os monastérios são oásis no qual Deus fala a humanidade; e neles se encontram o claustro, um lugar simbólico, porque é um espaço fechado, mas aberto para o céu.
Amanhã [quinta-feira, 11 de agosto], queridos amigos, faremos memória de Santa Clara de Assis. Por isso, gostaria de recordar um destes “oásis” do espírito, particularmente querido para a família franciscana e para todos os cristãos: o pequeno convento de São Damião, situado logo abaixo da cidade de Assis, no meio de olivais inclinada em direção a Santa Maria dos Anjos.  
Nesta igrejinha, a qual Francisco restaurou depois de sua conversão, Clara e suas primeiras companheiras estabeleceram sua comunidade, vivendo de oração e de pequenos trabalhos. Se chamavam as “Irmãs Pobres”, e a forma de vida delas era a mesma dos Frades Menores: “Observando o santo Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo (Regra de Santa Clara, I, 2), conservando a união pela caridade recíproca (cfr ivi, X, 7) e observando em particular a pobreza e a humildade vivida por Jesus e sua santíssima Mãe (cfr ivi, XII, 13).
O silêncio e a beleza do lugar no qual vive a comunidade monástica – beleza simples e austera – constituem um reflexo da harmonia espiritual que a comunidade mesma busca realizar. O mundo está cheio destes “oásis do espírito”, alguns muito antigos, particularmente na Europa, outros recentes, outros restaurados por novas comunidades.
Olhando as coisas numa ótica espiritual, estes lugares do espírito são estruturas importantes no mundo! E não é por acaso que muitas pessoas, especialmente nos períodos de pausa, visitam estes lugares e ali ficam por alguns dias: até a alma, graças a Deus, tem suas exigências!
Recordemos, assim, Santa Clara. Mas recordemos também outras figuras de santos que nos chamam a importância “de voltar o olhar às coisas do céu”, como Santa Edith Stein, Teresa Benedita da Cruz, carmelitana, co-padroeira da Europa, celebrada ontem [terça-feira, 9 de agosto].
E hoje, 10 de agosto, não podemos esquecer de São Lourenço, diácono e mártir, com uma felicitação especial aos romanos, que desde sempre o veneraram como um dos seus padroeiros. E por fim, voltemos nosso olhar a Virgem Maria, para que nos ensine a amar o silêncio e a oração.

Saudação em português: Saúdo com alegria os peregrinos de língua portuguesa, nomeadamente os Escuteiros de São Félix da Marinha em Portugal e os seminaristas brasileiros da Arquidiocese de Diamantina. Esforçai-vos por descobrir o valor do silêncio como condição para o recolhimento interior, para poder escutar a Deus. Que a Virgem Maria possa ensinar-vos a amar o silêncio e a oração. Ide em paz!

Fonte: Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé.

Extraído do site: http://www.derradeirasgracas.com/3.%20Papa%20Bento%20XVI/Oração%20e%20o%20silêncio%20-%20Catequese%20do%20Papa%20Bento%20XVI..htm