COMENTÁRIO DO EVANGELHO DE DOMINGO DIA 17/06/2012

junho 15, 2012

COMENTÁRIO DO EVANGELHO DO XI DOMINGO DO TEMPO COMUM, ANO B, DO DIA 17 DE JUNHO DE 2012, FEITO PELO PADRE MATEUS MARIA, FMDJ.

Clique no link abaixo e assista:

http://pt.gloria.tv/?media=300173


PADRE PAULO RICARDO – VIRGEM MARIA: NOSSA RAINHA E SENHORA

junho 15, 2012

DÉCIMO MANDAMENTO

junho 15, 2012

Imagem de Destaque

Décimo Mandamento

Não cobiçarás os bens do teu próximo!

Encerrando a série sobre o Decálogo, o Décimo Mandamento ordena: “Não cobiçar as coisas alheias”. Este proíbe ao cristão a cobiça dos bens alheios, sentimento que é a raiz do roubo e da fraude. Assim, ele proíbe avidez e o desejo de uma apropriação desmedida dos bens terrenos. Proíbe também o desejo de cometer uma injustiça pela qual se prejudicaria o próximo em seus bens temporais.

O cristão deve aprender a distinguir as ambições razoáveis dos desejos insensatos e injustos, adquirindo uma atitude interior de respeito pelos bens alheios. O Catecismo da Igreja Católica nos ensina que, ao desejarmos obter bens semelhantes aos de nossos próximos, não violaremos esse mandamento, contando que os obtenhamos por meios justos.

O Décimo Mandamento da Lei de Deus exige banir a inveja do coração humano, pois esta pode levar às piores ações. A inveja é o ciúme e a fúria de quem vê a prosperidade dos outros e deseja apoderar-se injustamente do que eles têm. Quem deseja mal aos outros peca gravemente. A inveja diminui à medida que a pessoa procura cada vez mais alegrar-se com as conquistas e os dons dos próximos, quando ela crê na providência de Deus também para si e quando ela dirige o seu coração para a verdadeira riqueza, que consiste no fato de já participarmos em Deus pelo Espírito Santo.

A confiança em Deus, acima de todas as coisas, foi pedida por Jesus aos Seus discípulos, isso para que estes tivessem um coração livre, pobre, desprendido das riquezas, isso é o princípio do espírito da pobreza evangélica, pois é o abandono à providência de Deus, que nos liberta da preocupação pelo amanhã, prepara-nos para a bem-aventurança dos «pobres em espírito, porque deles é já o Reino dos céus» (Mt 5, 3).

Portanto, o desprendimento total do homem dos bens materiais, manifestado principalmente nas prescrições indicadas por esse mandamento, vem ao encontro do seu desejo final, que é ver a Deus. Muitas vezes, o vazio interior é causado pelo amor desmedido às coisas, roubando, assim, do Senhor a possibilidade de ocupar inteiramente o coração humano.

Somente por intermédio de uma vida justa e honesta, o grito interior presente em todo homem: “Quero ver a Deus!” será realizado, pois, a verdadeira e perfeita felicidade se concretiza na visão e na bem-aventurança d’Aquele que nos criou por amor e nos atrai a Si no Seu infinito amor.

 

Redação Portal
Fonte: Catecismo da Igreja Católica, 2534 a 2557

14/06/2012

Extraído do site: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12812