ALEXANDRE OLIVEIRA: A CURA PELA FÉ

agosto 3, 2012

COMENTÁRIO DO EVANGELHO DE DOMINGO DIA 05/08/2012

agosto 3, 2012

COMENTÁRIO DO EVANGELHO DO XVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM, ANO B, DO DIA 05 DE AGOSTO DE 2012, FEITO PELO PADRE MATEUS MARIA, FMDJ.

Clique no link abaixo e assista:

http://pt.gloria.tv/?media=317348


PAI NOSSO: A ORAÇÃO DOS FILHOS

agosto 3, 2012

Imagem de Destaque

Pai Nosso: a oração dos filhos

Jesus Cristo nos ensina a nos dirigirmos a Deus como Pai
Com o Pai Nosso, Jesus Cristo nos ensina a nos dirigirmos a Deus como Pai: “Orar ao Pai é entrar em Seu mistério, tal como Ele é, e tal como o Filho no-lo revelou: “A expressão Deus Pai nunca fora revelada a ninguém. Quando o próprio Moisés perguntou a Deus quem Ele era, ouviu outro nome. A nós este nome foi revelado no Filho, pois este nome novo implica o novo do Pai” (Tertuliano, De oratione, 3)» (Catecismo, 2779).Ao ensinar o Pai Nosso, Jesus revela também a Seus discípulos que eles foram feitos partícipes de Sua condição de Filho. Mediante a revelação desta oração, os discípulos descobrem uma especial participação deles na filiação divina, da qual São João dirá no prólogo de seu Evangelho: “A quantos acolheram-No (isto é, a quantos acolheram ao Verbo feito carne), Jesus deu o poder de chegar a ser filhos de Deus” (Jo 1,12). Por isso, com razão, rezam segundo seu ensino: Pai Nosso”.

Jesus Cristo sempre distingue entre “meu Pai” e “vosso Pai” (cf. Jo 20,17). De fato, quando Ele reza, nunca diz Pai Nosso. Isto mostra que Sua relação com Deus é totalmente singular. Com a oração do Pai-Nosso, Jesus quer fazer conscientes Seus discípulos de sua condição de filhos de Deus, indicando, ao mesmo tempo, a diferença que há entre Sua filiação natural e nossa filiação divina adotiva, recebida como dom gratuito de Deus.

 

A oração do cristão é a oração de um filho de Deus que se dirige a seu Pai com confiança filial, a qual “se expressa nas liturgias de Oriente e de Ocidente com a bela palavra, tipicamente cristã: ‘parrhesia’, simplicidade sem rodeios, confiança filial, segurança alegre, audácia humilde, certeza de ser amado (cfr. Ef 3, 12; Hb 3, 6; 4, 16; 10, 19; 1 Jo 2, 28; 3, 21; 5, 14)” (Catecismo, 2778). O vocábulo “parrhesia” indica, originalmente, o privilégio da liberdade de palavra do cidadão grego nas assembleias populares, e foi adotado pelos padres da Igreja para expressar o comportamento filial do cristão ante seu Deus. Ao chamar Deus como ‘Pai Nosso’, reconhecemos que a filiação divina nos une a Cristo, “primogênito entre muitos irmãos” (Rm 8, 29), por meio de uma verdadeira fraternidade sobrenatural. A Igreja é esta nova comunhão divina e dos homens (cf. Catecismo, 2790).

Por isso, a santidade cristã, ainda sendo pessoal e individual, nunca é individualista ou egocêntrica: “Se rezamos verdadeiramente ao nosso Pai, saímos do individualismo, pois o amor que acolhemos nos liberta. O adjetivo ‘nosso’, no começo da oração do Senhor, bem como o ‘nós’ dos quatro últimos pedidos, não exclui ninguém. Para que se diga em verdade (cfr. Mt 5, 23-24; 6, 14-16), devemos superar nossas divisões e oposições” (Catecismo, 2792).

A fraternidade, que estabelece a filiação divina, estende-se também a todos os homens, porque, em verdadeiro modo, todos são filhos de Deus —criaturas suas— e estão chamados à santidade: “Na terra, há apenas uma raça: a dos filhos de Deus”. Por isso, o cristão tem de se sentir solidário na tarefa de conduzir toda a humanidade para Deus.

A filiação divina nos impulsiona ao apostolado, uma manifestação necessária de filiação e fraternidade: “Pense nos demais —antes que nada, nos que estão a Seu lado— como nos que são filhos de Deus, com toda a dignidade desse título maravilhoso”.

Temos de nos portar como filhos de Deus com os filhos d’Ele: o nosso tem de ser um amor sacrificado, diário, feito de mil detalhes de entendimento, de sacrifício silencioso, de entrega que não se nota.

Manuel Belda
http://www.opusdei.org.br

02/08/2012

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12877