SEM MARIA NÃO HÁ IGREJA

setembro 21, 2012

Imagem de Destaque

Sem Maria não há Igreja

Ela compartilha a missão de Seu Filho
Bento XVI afirma que a presença da mãe de Deuscom os apóstolos, depois da Ascensão, não é apenas o dado histórico de um acontecimento do passado. A presença de Nossa Senhora no Cenáculo adquire um significado de grande valor, pois ela partilha com eles a memória viva de Jesus na oração. Ela compartilha a missão de Seu Filho, de conservar a Sua memória, a Sua presença.O Santo Padre nos lembra que para gerar o Verbo, a Virgem Maria já recebeu o Espírito Santo. No Cenáculo, unida em oração com os apóstolos, ela compartilha a expectativa do mesmo dom, para que, no coração de cada crente, “se forme Cristo” (cf. Gl 4, 19). Sem Pentecostes não há Igreja e não há Pentecostes sem a Mãe de Jesus, pois Ela viveu, de modo único, o que a Igreja experimenta todos os dias pela ação do mesmo Espírito. São Cromácio de Aquileia dizia que: “não se pode falar de Igreja se não estiver presente Maria, mãe do Senhor […] A Igreja de Cristo se encontra onde se anuncia a Encarnação de Cristo por meio da Virgem”.A Constituição Dogmática Lumen Gentium afirma que o lugar privilegiado de Maria é a Igreja, onde Ela é saudada como membro eminente e inteiramente singular. Nossa Senhora é exemplar perfeitíssimo na fé e na caridade (cf. LG 53).



Assista também: “Maria, modelo de amor a Deus”, com padre Paulo Ricardo


Bento XVI ressalta que “venerar a mãe de Jesus na Igreja significa aprender com ela a ser comunidade que reza”. A oração é uma das características essenciais da primeira descrição da comunidade cristã descrita nos Atos dos Apóstolos (cf. 2,42). Muitas vezes, nossas orações acontecem em momentos de sofrimento para receber luz, consolação e ajuda. Mas Maria nos convida a nos dirigir a Deus “não só na necessidade, nem só para nós mesmos, mas de modo unânime, perseverante e fiel, num só coração e numa só alma.Nossa vida, às vezes, passa por momentos difíceis e exigentes, que requerem escolhas inadiáveis, renúncias e sacrifícios. “A Mãe de Jesus foi posta pelo Senhor em momentos decisivos da história da salvação e soube responder, sempre, com plena disponibilidade, fruto de um vínculo profundo com Deus amadurecido na oração assídua e intensa”. Na Sexta-feira da Paixão, o discípulo amado foi entregue à Virgem Maria e, com ele, toda a comunidade dos discípulos (cf. Jo 19,26). “Entre a Ascensão e o Pentecostes, ela se encontra com e na Igreja em oração” (cf. At 1,14).Nossa Senhora é Mãe de Deus e Mãe da Igreja. Ela exerce a sua maternidade espiritual até o fim da história. Confiemos a ela toda a nossa existência pessoal e eclesial, e também a nossa passagem final. Maria nos ensina a necessidade da oração e nos mostra que só com um vínculo constante, íntimo e cheio de amor com o seu Filho é que podemos sair de nós mesmos, com coragem, para alcançar os confins do mundo e anunciar em toda a parte o Senhor Jesus, Salvador do mundo.

Natalino Ueda – Comunidade Canção Nova
http://blog.cancaonova.com/tododemaria

20/09/2012

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12933


LEVE NOSSA SENHORA PARA SUA CASA

setembro 20, 2012

QUAL O VALOR DAS NOSSAS ESCOLHAS?

setembro 20, 2012

Imagem de Destaque

Qual o valor das nossas escolhas?

Elas são responsáveis pelo brilho dos nossos olhos!

 

“Um jovem aproximou-se de Jesus e lhe perguntou: ‘Mestre, que devo fazer de bom para ter a vida eterna?’ Disse-lhe Jesus: ‘Por que me perguntas a respeito do que se deve fazer de bom? Só Deus é bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos.’ ‘Quais?’, perguntou ele. Jesus lhe respondeu: ‘não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho, honra teu pai e tua mãe, amarás teu próximo como a ti mesmo’. Disse-lhe o jovem: ‘tenho observado tudo isto desde a minha infância. Que me falta ainda?’ Respondeu Jesus: ‘se queres ser perfeito, vai, vende teus bens, dá-os aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me!’
Ouvindo estas palavras, o jovem foi embora muito triste, porque possuía muitos bens” (Mateus 19, 16-22)

“O valor das nossas escolhas e decisões são responsáveis pelo brilho dos nossos olhos!” Fico imaginando sempre o rosto desse jovem indo embora: um semblante triste., pois ele nunca havia escutado nada igual como as palavras ditas por Jesus. O jovem ficou desconcertado quando o colocaram em primeiro plano. Muitos só tinham interesse no que ele possuia. Isso despertou nele o quanto vale: “escolher e decidir”.

A escolha e a decisão dele foram contrárias à resposta de Jesus: O jovem colocou os bens materiais em primeiro plano. O seu olhar já dizia isso! Penso que era um olhar sem brilho (como é triste ver uma pessoa sem o brilho nos olhos!). Para tudo o que acontece na nossa vida precisamos “escolher e decidir”. Ninguém pode fazer isso por nós. Por isso a importância desse aprendizado.

Um jovem tem uma vida pela frente, uma vida de oportunidades, por isso é necessário que ele saiba fazer as suas escolhas e tomar suas decisões. É como uma arte! Quero partilhar com você o que estou aprendendo com isso: “O valor das nossas escolhas e decisões são responsáveis pelo brilho dos nossos olhos!” Algumas delas pelo brilho momentâneo e outras por aquele brilho perpetuado que se mantém por décadas e gerações.

O brilho momentâneo é aquele que reflete por alguns momentos a felicidade que nos é fundamental, mas uma hora passa. O mais importante mesmo é o brilho perpetuado, pois é aquele que continua em nossos olhos para sempre. Vamos refletir:

Era evidente o brilho do meu olhar em várias situações: o primeiro beijo, o meu primeiro tênis para jogar futebol, a primeira bicicleta com marcha, meu primeiro emprego, a compra do meu primeiro carro (um fusca branco ano 78). Foram brilhos que marcaram a minha história, só que foram brilhos rápidos. A vida é repleta de brilhos e o importante é saber aproveita-los hoje, agora, curtir cada um deles. Se não fizermos isso, a vida vai passando e, um dia, olhamos para o espelho e não enxergamos mais esse brilho dentro dos olhos.

O mais importante: o meu “brilho perpétuo” começou quando escolhi e decidi seguir a proposta de vida eterna que Jesus Cristo me apresentou. Ele continua nos meus olhos até hoje, pois é consequência das escolhas que fiz lá atrás. Ninguém poderia ter feito isso por mim. Ninguém poderá fazer por você. São duas moedas depositadas dentro de cada um.

Precisamos resgatar esses valores. É possível viver assim sem custo nenhum; ao contrário, é graça de Deus. Isso faz com que uma explosão de alegria venha de dentro para fora. O mundo está precisando de pessoas felizes, e não de pessoas “perfeitas”. Precisamos de pessoas com brilho nos olhos mesmo com as dificuldades, com os problemas, crises e defeitos.

Sejamos luzeiros numa sociedade que está sem brilho nos olhos!

Acredite: tem jeito!

Cleto Coelho
http://blog.cancaonova.com/temjeito

19/09/2012

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12932

 


MONSENHOR JONAS ABIB: EU VOS DAREI DESCANSO

setembro 18, 2012

COMO FAÇO PARA REZAR MELHOR?

setembro 18, 2012

Como faço para rezar melhor?

Nós precisamos rezar mais e melhor. Em Medjugorje, os jovens videntes perguntaram a Nossa Senhora como fariam para “rezar melhor”, uma vez que Ela recomendava sempre a eles que “rezassem com o coração”, que “rezassem melhor”. Nossa Senhora respondeu como mãe: “Rezem mais”.Se você começa a caminhar – e muita gente faz caminhada de manhã cedo, à tarde, alguns fazem até à noite depois que voltam do serviço, porque não têm outra hora –, quanto mais você caminha, mais vai ficando bom na caminhada. Quanto menos você caminha, mais mole fica. Seus músculos vão ficando mais flácidos. Você se cansa mais facilmente. Fica sem fôlego. Da mesma forma, quanto mais você corre, melhor fica na corrida. Quanto mais você nada, melhor fica na natação. Quanto mais você reza, melhor fica na oração. Para rezar melhor é preciso rezar mais.

“É rezando, rezando e rezando, que criamos fôlego e nos tornamos os atletas de Cristo”, ensina monsenhor Jonas

A Santíssima Virgem deu, dessa forma, uma receita excelente para todos nós. Além das orações que fazemos, é preciso rezar o Santo Rosário todos os dias.

Nossa Senhora está recomendando que rezemos não somente o Terço, mas o Rosário inteiro, meditando os mistérios gozosos, luminosos, dolorosos e gloriosos. Posso testemunhar para você que, antigamente, rezar um Terço já me era enfadonho, cansativo, demorado. Hoje, graças a Deus, rezar um Terço e até o Rosário tornou-se fácil. Eu sei que há dias em que chega a noite e ainda não consegui rezá-lo. Então, obrigo-me a rezar o que falta ou até o Rosário inteirinho à noite. Algumas vezes, torna-se pesado por causa disso, mas eu enfrento, graças a Deus! Por quê? Assim como você, caminhando todos os dias, fica bom em caminhada, e percorrer aqueles quilômetros torna-se fácil, o Rosário é a forma de adquirirmos fôlego.

Se você quer ser atleta, precisa de fôlego. Hoje, no mundo em que estamos, enfrentando esta poluição espiritual, precisamos ser atletas para vencer. Os moles vão cair. Os frouxos vão perecer. Só os “atletas” irão superar!

É preciso que todos nós sejamos atletas de Cristo, pois esse é é treinado pela oração. É rezando, rezando e rezando, que criamos fôlego e nos tornamos os atletas de Cristo. A vitória é para os atletas. Os moles não vão conseguir nada.

Você que é “recata” e que precisa da presença de Nossa Senhora para “recatar” os seus, garanta-a [recata] por meio da oração. Para você ter fôlego na oração reze o Rosário todos os dias. Essa é a segunda pedrinha: o Rosário todos os dias! Se você não conseguir logo de início, não se preocupe! Comece com o Santo Terço e, em pouco tempo, estará rezando dois Terços… E depois o Rosário.

Será bonito você andar com passos decididos. É isso o que Deus quer. Por amor de Deus, por amor de você e por amor dos seus, reze o Rosário todos os dias!

Trecho do livro “Maria, a mulher do Gênesis ao Apocalipse” de monsenhor Jonas Abib

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/pejonas/informativos.php?id=2569


MARCIO MENDES: O CONSOLO DE DEUS NÃO FALTA PARA QUEM CONTA COM ELE

setembro 17, 2012

PAPA BENTO XVI: PELAS OBRAS, TE MOSTRAREI A MINHA FÉ (Tg 2, 18)

setembro 17, 2012

Papa Bento XVI

Pelas obras, te

mostrarei a minha

fé. (Tg 2, 18).

16.09.2012 – Beirute: Homilia proferida por S.S. o Papa Bento XVI, neste domingo, na missa celebrada no City Center Waterfront de Beirute, no Líbano.

Amados irmãos e irmãs!
«Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo» (Ef 1, 3). Bendito seja Ele neste dia em que tenho a alegria de me encontrar convosco aqui, no Líbano, para entregar aos Bispos da região a Exortação apostólica pós-sinodal Ecclesia in Medio Oriente. Agradeço cordialmente a Sua Beatitude Béchara Boutros Raï as amáveis palavras de boas-vindas. Saúdo os outros Patriarcas e os Bispos das Igrejas orientais, os Bispos latinos das regiões vizinhas bem como os Cardeais e os Bispos vindos doutros países. Com grande afeto, saúdo a todos vós, queridos irmãos e irmãs do Líbano e também dos países de toda esta amada região do Médio Oriente, que viestes celebrar, com o sucessor de Pedro, Jesus Cristo crucificado, morto e ressuscitado. Dirijo também a minha deferente saudação ao Presidente da República e às Autoridades libanesas, aos Responsáveis e aos membros das outras tradições religiosas que quiseram estar aqui nesta manhã.
Neste domingo em que o Evangelho nos interpela sobre a verdadeira identidade de Jesus, sentimo-nos a caminhar com os discípulos na estrada que leva às aldeias da região de Cesareia de Filipe. “E quem dizeis vós que Eu sou?” (Mc 8, 29): pergunta-lhes Jesus.

O momento escolhido para lhes colocar esta questão não é sem significado. Jesus encontra-se num ponto de viragem decisiva da sua vida. Sobe para Jerusalém, para o lugar onde será realizado, através da cruz e ressurreição, o acontecimento central da nossa salvação.

É também em Jerusalém que, depois de todos estes acontecimentos, vai nascer a Igreja. E, neste momento decisivo, Jesus começa por perguntar aos seus discípulos: “Quem dizem os homens que Eu sou?” (Mc 8, 27), recebendo deles respostas muito variadas: João Batista, Elias, um profeta…

Ainda hoje, como ao longo dos séculos, aqueles que, de diversas maneiras, se cruzaram com Jesus no seu caminho têm a sua resposta a dar. São abordagens que podem ajudar a encontrar o caminho da verdade. Mas as mesmas, embora não sejam necessariamente falsas, são insuficientes, porque não atingem o cerne da identidade de Jesus. Só alguém que aceite seguir pelo seu caminho, viver em comunhão com Ele na comunidade dos discípulos, é que pode ter um verdadeiro conhecimento.

Tal é o caso de Pedro, que, desde há algum tempo, vive com Jesus e que agora responde: “Tu és o Messias” (Mc 8, 29). Resposta certa, sem dúvida alguma; mas ainda insuficiente, dado que Jesus sente a necessidade de a especificar. Ele entrevê que as pessoas poderiam servir-se desta resposta para desígnios que não são os seus, para suscitar falsas esperanças temporais sobre Ele. Não se deixa bloquear nos simples atributos do libertador humano que muitos esperam.


Anunciando aos seus discípulos que terá de sofrer, ser condenado à morte e depois ressuscitar, Jesus quer fazer-lhes compreender quem Ele é verdadeiramente. Um Messias sofredor, um Messias servo, e não um libertador político omnipotente. Ele é o Servo obediente à vontade de seu Pai até ao ponto de perder a sua vida.

É o que anunciava já o profeta Isaías na primeira leitura. Assim Jesus vai contra o que muitos esperavam d’Ele. A sua afirmação choca e desconcerta. E ouve-se o protesto de Pedro, que O censura, recusando para o seu Mestre o sofrimento e a morte. Jesus mostra-se severo com ele, e faz-lhe compreender que aquele que quiser ser seu discípulo deve aceitar ser servo, como Ele Se fez Servo.
Seguir Jesus significa tomar a própria cruz para O acompanhar pelo seu caminho, um caminho incômodo que não é o do poder nem da glória terrena, mas o que leva necessariamente a renunciar a si mesmo, a perder a sua vida por Cristo e pelo Evangelho, a fim de a salvar. É que nos foi dada a certeza de que este caminho leva à ressurreição, à vida verdadeira e definitiva com Deus.

Decidir acompanhar Jesus Cristo que Se fez o Servo de todos exige uma intimidade cada vez maior com Ele, colocando-se atentamente à escuta da sua Palavra, a fim de tirar dela a inspiração para o nosso agir.

Ao promulgar o Ano da Fé, que começará em 11 de Outubro próximo, quis que cada fiel pudesse comprometer-se de maneira renovada neste caminho da conversão do coração. Por isso, ao longo deste ano, encorajo-vos vivamente a aprofundar a vossa reflexão sobre a fé para a tornar mais consciente e fortalecer a vossa adesão a Jesus Cristo e ao seu Evangelho.
Irmãos e irmãs, o caminho por onde Jesus nos quer conduzir é um caminho de esperança para todos. A glória de Jesus revela-se no momento em que, na sua humanidade, Ele Se mostra mais frágil, especialmente na encarnação e na cruz. É assim que Deus manifesta o seu amor, fazendo-Se servo, dando-Se a nós. Porventura não é este um mistério extraordinário, por vezes difícil de admitir? O próprio apóstolo Pedro só o compreenderá mais tarde.
Na segunda leitura, São Tiago lembrou-nos como este seguimento de Jesus, para ser autêntico, exija atos concretos: “Pelas obras, te mostrarei a minha fé” (Tg 2, 18). Servir é uma exigência imperativa para a Igreja, de modo que os cristãos são verdadeiros servos à imagem de Jesus. O serviço é um elemento constitutivo da identidade dos discípulos de Cristo (cf. Jo 13, 15-17).

A vocação da Igreja e do cristão é servir; e fazê-lo, como o próprio Senhor, gratuitamente e a todos sem distinção. Assim, servir a justiça e a paz, num mundo onde a violência não cessa de alongar o seu rasto de morte e destruição, é uma urgência de modo a comprometer-se em prol duma sociedade fraterna, para edificar a comunhão.

Amados irmãos e irmãs, peço ao Senhor de modo particular que conceda a esta região do Médio Oriente servidores da paz e da reconciliação, para que todos possam viver pacífica e dignamente. É um testemunho essencial que os cristãos devem prestar aqui, em colaboração com todas as pessoas de boa vontade. Eu vos convido a todos a trabalhar pela paz; cada qual ao seu nível e no lugar onde se encontra.
Além disso o serviço deve estar no centro da vida da própria comunidade cristã. Todo o ministério, toda a função na Igreja é primariamente um serviço a Deus e aos irmãos.É este espírito que deve animar todos os batizados, uns em relação aos outros, especialmente através dum compromisso efetivo a favor dos mais pobres, dos marginalizados, daqueles que sofrem, para que seja preservada a dignidade inalienável de toda a pessoa.
Queridos irmãos e irmãs que sofreis no corpo ou no coração, o vosso sofrimento não é inútil. Cristo Servo está perto de todos aqueles que sofrem. Está presente junto de vós. Oxalá encontreis no vosso caminho irmãos e irmãs que manifestem concretamente a presença amorosa de Cristo, que não vos pode abandonar. Permanecei cheios de esperança por causa de Cristo!
E vós todos, irmãos e irmãs, que viestes participar nesta celebração, procurai tornar-vos cada vez mais conformes ao Senhor Jesus, Ele que Se fez Servo de todos pela vida do mundo. Deus abençoe o Líbano, abençoe todos os povos desta amada região do Médio Oriente e lhes conceda o dom da sua paz. Amém.

Fonte: Rádio Vaticano.

Extraído do site: http://www.derradeirasgracas.com/3.%20Papa%20Bento%20XVI/Papa%20Bento%20XVI%20-%20Pelas%20obras,%20te%20mostrarei%20a%20minha%20fé%20.htm


BANDA DOM: EU VOU PELO MUNDO

setembro 16, 2012

O SINAL DA SANTA CRUZ

setembro 16, 2012

Imagem de Destaque

O sinal da Santa Cruz

Com a Virgem Maria aos pés da cruz
 
A Igreja oferece, na liturgia, a melodia da palavra e da oração para ritmar os passos da vida humana. Como na música, o tempo forte da dança da vida é dado pelo domingo, o Dia do Senhor, no qual se fazem presentes, de forma excepcional, os grandes mistérios do Cristo, em Sua Morte e Ressurreição. Os mistérios como a Encarnação do Verbo de Deuse Seu nascimento em Belém, a vida em Nazaré, no maravilhoso recôndito da família, a pregação do Evangelho, o chamado dos discípulos, os milagres, a entrada na vida cotidiana das pessoas, a prática do seguimento de Jesus na experiência dos santos, tudo isso é apresentado durante o ano para que as leis da oração e da fé iluminem os passos dos cristãos e contribuam para chamar outras pessoas à mais digna aventura humana, acolher Jesus Cristo, n’Ele acreditar e fazer-se discípulo. 

Neste final de semana, a delicadeza da providência nos põe diante dos olhos a festa da Exaltação da Santa Cruz, a festa de Nossa Senhora das Dores e o diálogo de Jesus com Seus discípulos, quando da profissão de fé feita por Simão Pedro (Mc 8,27-35). É tempo privilegiado para discípulos de ontem e de hoje se decidirem. 

A cruz, terrível instrumento de suplício, quando o Corpo Santo do Senhor a tocou, tornou-se sinal de salvação, causa de glória e honra para todos os seres humanos. Olhar na fé para o Senhor, que foi elevado da terra, é estrada de graça e de vida (Cf. Nm 21,4-9; Jo 3,13-17). O apóstolo São Paulo, que não conhece outra coisa senão Jesus Cristo, e Jesus Cristo crucificado (Cf. I Cor 2,2), identificou-se de tal modo com este mistério que pôde dizer: “Com Cristo, eu fui pregado na cruz. Eu vivo, mas não eu, é Cristo que vive em mim. Minha vida atual na carne, eu a vivo na fé, crendo no Filho de Deus que me amou e se entregou por mim” (Gl 2,19-20). Para ele, a escolha foi feita e caíram todos os laços com o passado: “Quanto a mim, que eu me glorie somente da cruz do nosso Senhor, Jesus Cristo. Por Ele o mundo está crucificado para mim, como eu estou crucificado para o mundo” (Gl 6,14). 

AIgreja canta com alegria e não esmagada pelo peso da cruz: “Quanto a nós, devemos gloriar-nos na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é nossa salvação, nossa vida, nossa esperança de ressurreição, e pelo qual fomos salvos e libertos”. Ao iniciar a Páscoa, na Quinta-feira Santa, proclama sua convicção, retomando a proclamação da glória da cruz: “Esta é a noite da ceia pascal, a ceia em que nosso Cordeiro se imolou. Esta é a noite da ceia do amor, a ceia em que Jesus por nós se entregou.Esta é a ceia da nova aliança. A aliança confirmada no Sangue do Senhor”. A cruz de Jesus é estandarte de vida a ser alçado em todos os lugares, como sinal da presença dos homens e mulheres de fé. A vida resplandece onde o Cristo morto e, depois, ressuscitado – “Victor quia victima – Vencedor porque vítima” (Santo Agostinho, em Confissões X, 43) – se faz presente!

Aos pés da cruz de Jesus, estava Sua mãe, Maria, mulher altiva na sua fé (Cf. Jo 19,25-27), fiel até o fim para dizer seu segundo ‘sim’; desolada e depois glorificada. Anos antes, havia recebido o anúncio da espada de dor a transpassar seu coração pela palavra de Simeão (Lc 2 34-35). A Igreja celebra a sua “festa”, pois vê, em seu mistério profundo de dor e de entrega, o chamado que se dirige a todos os homens e mulheres. Com ela somos chamados a permanecer de pé, firmes diante de todo o mistério do sofrimento existente na vida. 

Os discípulos de Jesus, Pedro à frente, percorreram muitas e exigentes etapas em sua formação (Cf. Mc 8,27-35) para chegarem a vislumbrar o mistério de Cristo. Pareceu-lhes sempre difícil entender que havia uma lógica diferente quando esperavam um messias vitorioso, capaz de destruir todas as forças inimigas do bem. E a trilogia deste final de semana se conclui com a provocação, oferecida pela Igreja, a que, mais uma vez, as pessoas de nosso tempo se decidam a percorrer uma estrada diferente. “A lógica de qualquer projeto humano de conquista do poder é luta-vitória-domínio. 

A lógica de Jesus ao invés é: luta-derrota-domínio!Também Jesus lutou – e como lutou! – contra o mal no mundo. Com efeito, o título de Jesus Cristo ressuscitado – “Senhor” – é um título de vitória e de domínio, de modo que chega a criar uma incompatibilidade com o reconhecimento de outro senhor terreno; mas se trata de um domínio não baseado na vitória, mas na cruz” (Cf. Raniero Cantalamessa, “O Verbo se faz Carne”, no prelo, Editora Ave-Maria). 

Concretizar esta escolha é apenas decidir-se a sair de si para amar e servir, buscando o que constrói o bem de todos, vencendo primeiro a si mesmo. Magnífica aventura! Vale a pena experimentar! 

Foto Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém – PADom Alberto Taveira foi Reitor do Seminário Provincial Coração Eucarístico de Jesus em Belo Horizonte. Na Arquidiocese de Belo Horizonte foi ainda vigário Episcopal para a Pastoral e Professor de Liturgia na PUC-MG. Em Brasília, assumiu a coordenação do Vicariato Sul da Arquidiocese, além das diversas atividades de Bispo Auxiliar, entre outras. No dia 30 de dezembro de 2009, foi nomeado Arcebispo da Arquidiocese de Belém – PA.

14/09/2012

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12926


PADRE ROGER LUIS: A MURMURAÇÃO É A FAGULHA DO INFERNO

setembro 15, 2012

UMA HISTÓRIA SOBRE O VERDADEIRO VALOR E ZELO QUE DEVEMOS TER PELA EUCARÍSTIA

setembro 15, 2012
 

UMA HISTÓRIA SOBRE O VERDADEIRO VALOR E ZELO QUE DEVEMOS TER PELA EUCARÍSTIA

Alguns meses antes de sua morte, o Bispo Fulton J. Sheen foi entrevistado pela rede nacional de televisão: “Bispo Sheen, milhares de pessoas em todo o mundo inspiram-se em você. Em quem você se inspirou? Foi por acaso em algum Papa?”. 

O Bispo Sheen respondeu que sua maior inspiração não foi um Papa, um Cardeal, ou outro Bispo, sequer um sacerdote ou freira. Foi uma menina chinesa de onze anos de idade.

Explicou que quando os comunistas apoderaram-se da China, prenderam um sacerdote em sua própria reitoria, próximo à Igreja. O sacerdote observou assustado, de sua janela, como os comunistas invadiram o templo e dirigiram-se ao santuário. Cheios de ódio profanaram o tabernáculo, pegaram o cálice e, atirando-o ao chão, espalharam-se as hóstias consagradas.
Eram tempos de perseguição e o sacerdote sabia exatamente quantas hóstias havia no cálice: trinta e duas.

Quando os comunistas retiraram-se, talvez não tivessem percebido, ou não prestaram atenção, a uma menininha, que rezando na parte detrás da igreja, viu tudo o que ocorreu. À noite, a pequena regressou e, escapando da guarda posta na reitoria, entrou no templo. Ali, fez uma hora santa de oração, um ato de amor para reparar o ato de ódio. Depois de sua hora santa, entrou no santuário, ajoelhou-se, e inclinando-se para frente, com sua língua recebeu Jesus na Sagrada Comunhão. (Naquele tempo não era permitido aos leigos tocar a Eucaristia com suas mãos).

A pequena continuou regressando a cada noite, fazendo sua hora santa e recebendo Jesus Eucarístico na língua. Na trigésima noite, depois de haver consumido a última hóstia, acidentalmente fez um barulho que despertou o guarda. Este correu atrás dela, agarrou-a, e golpeou-a até mata-la com a parte posterior de sua arma.

Este ato de martírio heróico foi presenciado pelo sacerdote enquanto, profundamente abatido, olhava da janela de seu quarto convertido em cela.

Quando o Bispo Sheen escutou o relato, inspirou-se de tal maneira que prometeu a Deus que faria uma hora santa de oração diante de Jesús Sacramentado todos os dias, pelo resto de sua vida. Se aquela pequena pôde dar testemunho com sua vida da real e bela Presença do seu Salvador no Santíssimo Sacramento então, o bispo via-se obrigado ao mesmo. Seu único desejo desde então seria atrair o mundo ao Coração ardente de Jesus no Santíssimo Sacramento.

A pequena ensinou ao Bispo o verdadeiro valor e zelo que se deve ter pela Eucaristia; como a fé pode sobrepor-se a todo medo e como o verdadeiro amor a Jesus na Eucaristia deve transcender a própria vida.

O que se esconde na Hóstia Sagrada é a glória de Seu amor. Todo o mundo criado é um reflexo da realidade suprema que é Jesus Cristo. O sol no céu é apenas um símbolo do filho de Deus no Santíssimo Sacramento. É por isso que muitos sacrários imitam os raios de sol. Como o sol é a fonte natural de toda energia, o Santíssimo Sacramento é a fonte sobrenatural de toda graça e amor.

Resumo de um artigo “Let the Son Shine” pelo Rvd. Martin Lucia.

 
Repórter de Cristo – Leia mais:
http://reporterdecristo.com/uma-historia-sobre-verdadeiro-va
lor-zelo

Fonte: https://harmoniacelestial.wordpress.com/wp-admin/post.php?post=19570&action=edit


PADRE FABIO DE MELO: DEUS QUER LHE TRANSFORMAR EM UMA PESSOA MARCANTE

setembro 14, 2012

PAZ: FRUTO DA RECONCILIAÇÃO

setembro 14, 2012

Imagem de Destaque

Paz: Fruto da Reconciliação

Passos para alcançarmos a reconciliação com Deus

O que é a paz? Muitas opiniões se multiplicam, muitos pontos de vista se antagonizam; uns dizem que a paz é a ausência da guerra, principalmente neste momento delicado, quando, a cada dia, surge mais uma guerra ou um conflito interno em países do mundo inteiro. Outros dizem que a paz é algo interno de cada pessoa, que cada um deve ter sua paz interior e isto basta. Tenho, hoje, uma reflexão sobre ela: a paz é fruto da reconciliação.

A palavra reconciliação é derivada direta da palavra concilio
, do verbo conciliar, concordar, estar de acordo. Então, reconciliar é conciliar de novo. Alguma opinião ou alguma atitude que desgastou esta “concordância”, alguma briga, discussão entre as pessoas, entre os povos, entre o homem e Deus precisa, de novo, ser conciliada pela aceitação da posição antagônica, mesmo que, com divergência em algum ponto. É um reatar as relações.

É preciso que cada homem tenha consciência de que a paz só acontece de verdade se ele estiver plenamente reconciliado com ele mesmo, com as pessoas que o cercam e com Deus. Isto significa viver reconciliado.

Primeiro, com nós mesmos, aceitando nossa limitação, nossa incapacidade de atingir algumas coisas. Somos de carne e osso, fracassamos, damos certo em algumas coisas e noutras somos um desastre, por isso precisamos de ajuda. Isto não significa se acomodar às nossas limitações humanas, mas ter como meta o “ser melhor” e progredir a cada dia nesta busca, sem nunca esquecer nossa natureza fraca, frágil. Saiba que Deus nos ama e, por causa disso, precisamos nos valorizar, nos amar e cuidar de nós. Somos importantes neste mundo.

Reconcilie-se consigo mesmo. Comece a se olhar sem acusações, com misericórdia, uma pessoa que luta para ser mais santo ou santa.

Depois, é preciso estar de bem com as outras pessoas. Procuremos ser tolerantes quando as pessoas são imperfeitas e incoerentes: aceitemo-las. Elas podem estar passando pelo mesmo processo que nós, ou seja, necessitado de ajuda em algumas situações pessoais. Nós podemos ser esta ajuda. Ajudemos! Se magoou alguém, desculpe-se; procure-o, faça as pazes. Isto é divino. E se alguém o magoou, perdoe-o do fundo do coração. Tenha as mesmas atitudes de antes: acolha, dê um sorriso, trate-a como se nada tivesse acontecido. Isto significa esquecer e perdoar definitivamente.

Para isto é primordial estar de bem com Deus. Se pecamos e fazemos algo que feriu o coração do Senhor (nós sabemos quando fazemos este tipo de coisa), não podemos conviver com esta discordância e dar os passos para nos reconciliarmos com Ele. São necessários três passos para alcançarmos a reconciliação com o Pai:

1 – Reconhecer os próprios erros, pecados e falhas, não dissimular, não jogar a culpa nos outros ou nas situações, admitir que errou, mas quer se levantar;
2 – Arrepender-se profundamente. Ter ódio do pecado cometido. Fugir dele. Comprometer-se com Deus e evitar cair, de novo, na mesma fraqueza;
3 – Confessar-se regularmente com um padre.

Escutei uma explicação magnífica sobre a necessidade de confessar-se com o padre e não direto com Deus. Quando pecamos, este pecado atinge outras pessoas, por isso teríamos de nos confessar com todos aqueles que foram prejudicados pelos nossos pecados, para nos redimir de verdade. O sacerdote é o representante que saiu do meio do povo, foi consagrado para aceitar, em nome destas pessoas, a nossa confissão e nos absolver, perdoar-nos em nome de Deus, que é o Pai de todos nós. É sacramento estabelecido pelo próprio Jesus: “Tudo que ligares na terra, será ligado nos céus” (Mt 16,19a).

Então, reconciliar-se com Deus
, com as pessoas e consigo é “fonte de paz”. As guerras acontecem, porque os homens querem permanecer na divergência, no desacordo. Hoje, Deus nos pede uma atitude diferente: viver reconciliado, viver em Paz com todos. Esta atitude é o maior grito de indignação que podemos dar contra a guerra.

A Paz de Jesus o ilumine a a viver reconciliado.

Diácono Paulo Lourenço
http://blog.cancaonova.com/diaconopaulo

13/09/2012

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12927


COMENTÁRIO DO EVANGELHO DE DOMINGO DIA 16/09/2012

setembro 14, 2012

COMENTÁRIO DO EVANGELHO DO XXIV DOMINGO DO TEMPO COMUM, ANO B, DO DA 16 DE SETEMBBRO DE 2012, FEITO PELO PADRE MATEUS MARIA, FMDJ.

Clique no link abaixo e assista:

http://pt.gloria.tv/?media=331239


PADRE LÉO: JOVEM SEJA FIRME E CORAJOSO

setembro 13, 2012

COM DEUS TEM JEITO!

setembro 13, 2012

Imagem de DestaqueCom Deus tem jeito!

Jovem, reconheça a queda e levante a cabeça
Quero lhe falar de uma história real. Trata-se da vida de um jovem que, aos 25 anos de idade, não tinha mais nenhuma perspectiva, não conseguia ver esperança, era só um vazio existencial.Os dias iam passando e o desespero aumentava no coração dele por não avistar uma saída. A entrada para o mercado de trabalho lhe parecia muito difícil, Sem faculdade e sem currículo, quem o contrataria e quanto ganharia? Pois quem ganha bem é quem tem um excelente currículo e uma boa formação acadêmica, pensava este jovem. Casar-se e formar família também era complexo, já que não conseguia dirigir sua própria vida; então, não conseguia mirar uma vida de fidelidade a partir de uma única mulher. Outro ponto se tornava mais distante ainda: ter filhos e dar a eles uma educação moral e cristã.

Situações que resultavam numa conclusão: sem perspectiva profissional e sem perspectiva de ser bom esposo e bom pai. Além desses fatos, tinha jogado fora todas as oportunidades que estiveram em suas mãos, uma delas a carreira profissional de jogador de futebol de salão. O mais complicado para este jovem era achar que não tinha mais jeito de dar a volta por cima, não existia esperança em sair do caos.

Não sei a sua idade nem quais são as suas perdas. Só sei de uma coisa: em meio a uma situação de desesperança, é hora de tomar cuidado para não perder os valores da alegria e da esperança.

Há uma música que diz: “reconhece a queda e não desanima; levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”. Jovem, é preciso reconhecer a queda, reconhecer a perda, reconhecer-se pequeno, mas não desanimar. É preciso ter consciência de que para levantar e dar a volta por cima é preciso o auxílio do Alto, do Céu. Levante a cabeça, acredite, é possível começar um tempo novo! Levantar-se sem Deus é arriscado e levantar-se com Ele é humildade.“A alegria do coração é a vida da pessoa, tesouro inesgotável de santidade, a alegria da pessoa prolonga-lhe a vida. Tem compreensão contigo mesmo e consola teu coração; afugenta para longe de ti a tristeza. A tristeza matou a muitos e não traz proveito algum.” (Eclo 30,23-25).

Essa passagem bíblica nos apresenta um valor que deve ser cultivado: a alegria. Jovem, não deixe que nenhuma perda lhe roube a alegria. Somente a perda de Jesus é que deve nos questionar, pois Ele diz: “sem mim, nada podeis fazer”. Viver a vida sem Cristo é perder a esperança de dias melhores.

 
Jesus é o seu amigo e está junto de você nestes momentos tão difíceis. Ele é o único que não pode se fazer presente na sua lista de perdas. “Eu vos chamo amigos” (Jo 15, 15). O lindo desafio para este dia é virar a folha e começar a escrever um tempo novo. Coloque, no início dessa folha, “Jesus é meu amigo” e isso me basta para dar a volta por cima.Este jovem, hoje, tem 43 anos de idade, é casado há 15 anos e tem três filhos. Este jovem sou eu! Hoje sou “semeador de alegria e esperança” e aprendiz em descobrir valor em meio às perdas. Não me canso de repetir: “Com Deus tem jeito!”

Cleto Coelho
http://blog.cancaonova.com/temjeito

11/09/2012

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12922


PADRE FABIO DE MELO: MUDAR NA MEDIDA DO AMOR

setembro 12, 2012

ACOLHER A PALAVRA DE DEUS

setembro 12, 2012

Imagem de Destaque

Acolher a Palavra de Deus

Como a Palavra de Deus se torna vida em nós?

Como acolher a Palavra de Deus? Como viver uma vida nova? Estas são questões fundamentais para todos os cristãos, pois a Palavra de Deus se fez carne em Jesus Cristo, para que por Ele tenhamos a vida. Somente em Jesus temos uma vida nova, segundo o Espírito; mas como acolher essa vida em nós?

Jesus nos fala, neste versículo do Evangelho de João (cf. Jo 6, 63), sobre uma realidade fundamental de nossa fé. A Sua Palavra é para nós espírito e vida, porém, não uma vida no sentido da carne, da existência biológica, mas a vida segundo o Espírito. Existe um dinamismo para que a Palavra de Deus realize a Sua obra em nós. Esta se realiza segundo o dom do Espírito Santo, que é concedido pelo Pai aos que creem. Temos de acolher os textos bíblicos com o dom da fé que já foi infundido em nós pelo Senhor, para nos encontrar com Cristo, Palavra eterna do Pai.

Tal dinamismo da ação divina aconteceu de forma única na anunciação da encarnação do Verbo, quando o Anjo apareceu a Virgem Maria e lhe revelou o desígnio divino a seu respeito. Ele anunciou que ela seria Mãe do Filho de Deus e que Ele se chamaria Jesus (cf. Lc 1,31-32). Nossa Senhora tinha fé, mas não compreendeu completamente o anúncio do Anjo. Mesmo assim, ela acolheu o desígnio salvífico do Senhor para si, mas também para toda a humanidade. Quando ela acolheu a Palavra, o Verbo de Deus, o Pai enviou o Seu Espírito e esse Verbo se faz carne no ventre de Maria.

 
O primeiro passo para acolher a Palavra é acreditar, ter fé e acolher o desígnio de Deus a nosso respeito. Ainda que não saibamos como serão todas as coisas, assim como aconteceu com a Virgem Maria, acolhamos Jesus Cristo em nossas vidas. Quando O acolhemos, o Espírito nos dá a vida; não segundo a carne, mas a vida segundo o Espírito. Essa é a vida do próprio Cristo, que é gerada em nós, no ventre de Maria, pela ação do Espírito Santo.O segundo passo é este que acabamos de mencionar, ou seja, acolher Nossa Senhora em nossas vidas. Foi Maria quem gerou o Verbo de Deus e é ela quem vai gerar a Palavra em nós. É a Virgem Maria, pela ação do Espírito Santo, quem vai gerar a carne de Jesus Cristo em nós. Esta é a vida que o Pai quer nos dar, a vida de Seu Filho Jesus Cristo, que se realiza em nós pelo Espírito Santo.

A Palavra de Deus se realiza em nós do mesmo modo que aconteceu na Encarnação de Jesus, ou seja, no ventre da Virgem Maria. Por isso, nos unamos a Nossa Senhora em oração, como os discípulos e apóstolos de Jesus depois da Sua Ascensão (cf. At 1,14), para que aconteça um novo Pentecostes em nossas vidas (cf. At 2,1-13). Foi a partir do Pentecostes que a Palavra recebida pelos apóstolos e discípulos tornou-se vida e, pela força do Espírito Santo, eles puderam anunciar, com intrepidez, a Boa Nova da salvação em Jesus Cristo.

 

Natalino Ueda – Comunidade Canção Nova
http://blog.cancaonova.com/tododemaria

10/09/2012

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12920


PADRE PAULINHO: SEJA UM CONTINUADOR DA MISSÃO DE JESUS

setembro 11, 2012

AMIZADE: CAMINHO PARA DEUS

setembro 11, 2012

Imagem de Destaque

Amizade: caminho para Deus

Ser amigo implica querer que o outro seja amigo de Cristo
 
A amizade é o melhor bem humano.Vale mais que as riquezas, o poder, a ciência ou as honras. A amizade é o amor que se tem por uma pessoa em razão dela mesma, do que ela é, independente das vantagens ou desvantagens que ela possa nos proporcionar. Além disso, a amizade é o caminho para chegar a Deus.Ser amigo é relação e também virtude que consiste na firme vontade de querer e procurar o bem do outro. A amizade acontece quando duas pessoas querem e procuram, reciprocamente, o bem do outro. Para ter amigos, para estabelecer relações de amizade, é necessário, primeiro, adquirir a virtude da amizade.

Hoje, costuma-se usar a palavra amizade somente no que diz respeito às relações que se têm com pessoas que não são da família, mas este é um conceito limitado. O amor da amizade é, pelo contrário, o amor que caracteriza a vida familiar, na qual as pessoas convivem e se amam por si mesmas. A família se constitui a partir da amizade conjugal, porque implica o compromisso recíproco de procurar o bem integral do outro por toda a vida. A vida familiar dá lugar às outras relações de amizade, algumas entre desiguais, como a amizade paterna ou a amizade filial, e outra entre iguais, como a amizade fraternal.

A amizade com pessoas que não são da família tem a mesma essência que a amizade familiar. Os amigos querem e procuram o bem do amigo, a quem consideram valioso por si mesmo, por ser quem são, independentemente de qualquer utilidade ou vantagem que possa proporcionar.

Quem tem fé em Cristo e sabe que Eleé o amigo por excelência, Aquele que quer e procura o nosso bem mais do que ninguém, mais que nós mesmos. Jesus deu sua vida por todos nós, a fim de que todos possamos alcançar a felicidade eterna. Queira, naturalmente, que seus amigos sejam também amigos de Cristo. Por isso, para um cristão ser amigo implica querer que o outro também seja amigo do Senhor.Esse é o apostolado da amizade que ensinou São Josemaria Escrivá. Não se trata de ganhar adeptos nem de crescimento de um grupo, muito menos de manipular as pessoas para que sirvam a fins políticos, econômicos ou de qualquer outra natureza. Ser apóstolo, ensinava ele, é ser amigo primeiro de Cristo e, em seguida, de todas as pessoas com quem convive: familiares, amigos da escola, companheiros de trabalho, clientes, fornecedores, vizinhos, sócios e, em geral, qualquer pessoa com quem ele conviva. Àqueles amigos que queremos bem, convidamos e ajudamos para que sejam amigos de Cristo. Se o amigo recusa o convite, a amizade permanece, porque o amigo é querido por si mesmo, mas se aceita o convite, então a amizade se fortalece, porque ambos são amigos do Amigo.

Termino com umas palavras que o Papa Bento XVI dirigiu a um numeroso grupo de jovens, em Roma, durante o Congresso Universitário – UNIV, em abril de 2006: “quem descobriu a Cristo não pode deixar de levar os demais até Ele, uma vez que não é possível guardar para si uma grande alegria sem comunicá-la. Esta é a tarefa a que os chama o Senhor, este é o ‘apostolado da amizade’ que São Josemaria descreve como ‘amizade pessoal’, sacrificada, sincera, de tu a tu, de coração a coração”. Todo cristão está convidado a ser amigo de Deus e, com Sua graça, atrair para Ele seus próprios amigos. O amor apostólico converte-se, deste modo, em uma autêntica paixão que se expressa comunicando aos demais a felicidade que se encontra em Jesus”.

Jorge Adame Goddard
http://www.opusdei.org.br

10/09/2012

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12921