PADRE CHRYSTIAN SHANKAR: SUA FAMÍLIA É REUNIDA NO AMOR DE CRISTO

março 25, 2014


SOBERBA, A “CULTURA DO EGO”

março 25, 2014

Imagem de Destaque

Soberba, a “cultura do ego”

A soberba é o pior de todos os pecados

A soberba é o pior de todos os pecados. É o que levou os anjos maus a se rebelarem contra Deus, e levou Adão e Eva à desobediência e ao pecado original. Alguém disse que o orgulho é tão enraizado em nós, por causa do pecado original, que “só morre meia hora depois do dono”.

Por outro lado, por ser o oposto da soberba, a humildade é uma grande virtude, a que mais caracterizou o próprio Jesus, “manso e humilde de coração” (Mt 11,29), e também marcou a vida de Maria, “a serva do Senhor” (Lc 1, 38); José e todos os santos da Igreja.

São Vicente de Paulo ensinava a seus filhos que o demônio não pode nada contra uma alma humilde, uma vez que, sendo ele soberbo, não sabe se defender da humildade. Por isso, com esta arma, o maligno foi vencido por Jesus, por Maria, José, São Miguel e os santos. A soberba consiste em a pessoa sentir-se como se fosse a “fonte” dos seus próprios bens materiais e espirituais. Acha-se cheia de si mesma, mas se esquece de que tudo vem de Deus e é dom do Alto, como disse São Tiago: “Toda dádiva boa e todo dom perfeito vêm de cima: descem do Pai das luzes” (Tg 1,17).

O soberbo se esquece de que é uma simples criatura, que saiu do nada pelo amor e chamado de Deus, e que, portanto, d’Ele depende em tudo. Como disse Santa Catarina de Sena, ele “rouba a glória de Deus”, pois quer para si as homenagens e os aplausos que pertencem somente ao Senhor.

São Paulo lembra aos coríntios que: “nossa capacidade vem de Deus” (2Cor 3,5). Aos romanos ele disse: “Não façam de si próprios uma opinião maior do que convém, mas um conceito razoavelmente modesto” (Rm 12,3). “Não vos deixeis levar pelo gosto das grandezas; afeiçoai-vos com as coisas modestas. Não sejais sábios aos vossos próprios olhos” (Rm 12,16). Aos gálatas, Paulo diz: “Quem pensa ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo” (Gl 6, 3). A soberba tem muitos filhos: orgulho, vaidade, vanglória, arrogância, prepotência, presunção, autossuficiência, amor próprio, exibicionismo, egocentrismo, egolatria etc.

Podemos dizer que a soberba é a “cultura do ego”. Você já reparou quantas vezes por dia dizemos a palavra ‘eu’? Eu vou, eu acho, eu penso que…, mas eu prefiro… A luta do cristão é para que essa “força” o puxe para Deus, e não para o ego. Jesus, nosso Modelo, disse: “Não busco a minha glória” (Jo 8,50). São Paulo insistia no mesmo ponto: “É porventura, o favor dos homens que eu procuro ou o de Deus? Por acaso tenho interesse em agradar os homens? Se quisesse ainda agradar aos homens, não seria servo de Deus” (Gl 1,10).

A soberba é o oposto da humildade. Essa palavra vem de “humus”, aquilo que se acha na terra, o pó. O humilde é aquele que reconhece o seu “nada”, embora seja a mais bela obra de Deus sobre a terra, a Sua glória, como dizia santo Irineu, já no século II. São Leão Magno, Papa e doutor da Igreja, no século V, disse que “toda a vitória do Salvador,  dominando o demônio e o mundo, foi iniciada na humildade e consumada na humildade!”

Adão e Eva, sendo criaturas, quiseram “ser como deuses” (Gen 3,5); Jesus, sendo Deus, fez-se criatura. Da manjedoura à cruz do Calvário, toda a vida de Jesus foi vivida na humildade e na humilhação. Por isso Jesus afirmou que, no Reino de Deus, os últimos serão os primeiros e quem se exaltar será humilhado. Façamos como Santa Teresinha, que procurava o último lugar.

 

Foto Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com

Prof. Felipe Aquino @pfelipeaquino, é casado, 5 filhos, doutor em Física pela UNESP. É membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de aprofundamentos no país e no exterior, escreveu mais de 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”. Saiba mais em Blog do Professor Felipe Site do autor: http://www.cleofas.com.br

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=13469#.UzE0PPldVo8

 


PADRE ARLON: DESERTO – VALORIZAÇÃO DO ESSENCIAL

março 17, 2014


CONVERSÃO, GRAÇA DE DEUS E VEREDA DE CORAGEM

março 17, 2014

CONVERSÃO, GRAÇA DE DEUS E VEREDA DE CORAGEM

Quaresma, tempo de mudança de vida, penitência, caridade, conversão. Enfim, de rompimento com o pecado.
Não poderíamos “fazer de conta” que este tempo não exige de nós como cristãos vigilância, reflexão e sobretudo oração para retomarmos a nossa imagem querida por Deus. Considerando que não podemos viver esta retomada sozinhos, precisamos da Graça de Deus e da coragem que é graça que vem da Graça!

Para percorrer este caminho querido por Deus, gostaria de usar uma imagem citada por João Paulo II em suas colocações: “Vós sois chamados a viver como sentinelas da manhã”.

E, o quê é ser sentinela? O que isto quer dizer em relação a conversão como graça de Deus e vereda de coragem?

Vejamos. Esta palavra vem do italiano “sentinella”, que quer dizer soldado que vigia, ou seja, que guarda algo esperando de forma isolada e segura. Por conseguinte, são pessoas prontas para considerar todos os movimentos e, ágeis para verificar toda orientação recebida; em suma, pessoas que não se deixam seduzir por vozes de sereias, mas, sabem prosseguir com força de vontade. Desenha-se aqui como lidar com o prazer, o poder e o possuir. Como devemos viver diante do pecado que nos é apresentado todos os dias e por vezes também buscado diariamente.

Olhando mais a fundo dentro de nós, podemos constatar que há um relativismo sutil, mas prepotente, que nos induz a cometer pecados, passamos a achar que o homem nada pode fazer em relação a isto ou aquilo; que é só um “pecadinho menor” e só Jesus é perfeito. E assim, vamos perdendo a possibilidade de, agora, ser sentinela da manhã. Posso romper, posso dizer não. Podemos ter posturas e atitudes novas, podemos não repetir os vícios e pecados que são tão costumeiros e que com frequência levamos para a confissão.

Quanto engano de nossa parte em pensar e agir de forma relativista, disfarçando o soldado forte (que é a nossa vontade) em covarde guardinha que se esconde com medo preferindo olhar passivamente. Agir assim é colocar dentro de uma caixa o melhor presente que já recebemos: a Graça uma vida santa, que Jesus conquistou para nós atravessando o deserto, sofrendo no Getsemâni e nos amando na Cruz.

Para vivermos a conversão diária precisamos assumir tudo o que Cristo viveu, principalmente a entrega de Sua vida. Precisamos, com coragem, romper com o pecado, seja nas pequenas ocasiões do nosso dia a dia, com mentiras, omissão, julgamentos, seja no desejo de comprar em demasia, de comer descompensadamente, de querer ser melhor que os outros, etc. Pecados que só nos sabemos.

A coragem para aderir novas decisões só é possível quando firmamo-nos na Palavra, na oração, na Eucaristia, na confissão e no serviço, enfim, quando firmamo-nos no Amor. Mudar o rumo de nossos passos enveredando no caminho da coragem é possível, a partir do momento em que escolho a Graça como armadura. Sim, somos chamados a viver como sentinelas da manhã a cada dia e a cada instante lutar com coragem!

“Por isso recordo-te que tens de reavivar o dom de Deus que está em ti… Pois o que Deus nos concedeu não é um espírito de medo, mas um espírito de força, amor e domínio de si” ( 1 Tm 1,6-7 ).

Escola de Formação Shalom
http://www.comshalom.org

Fonte: http://www.catequisar.com.br/texto/materia/fe/477.htm

 


PADRE FABIO DE MELO: A DEPENDÊNCIA AFETIVA É UM SEQUESTRO DA SUBJETIVIDADE

março 8, 2014


QUE MARAVILHA É VOCÊ, MULHER!

março 8, 2014

Que maravilha é você, mulher!

 

Cresci escutando de minha mãe que a mulher é a coisa mais linda que Deus criou. Bom, não é? Em alguns momentos, escutei de outras pessoas que a mulher nasceu para sofrer, que ser mulher era ruim, que a mulher não era valorizada e que, quando ia ter neném, quase morria de dor.

Lembro-me de minha mãe cantando para mim a seguinte canção: “Renata, meu bem, que será que você não tem? Se seu já conferi direito não vejo defeito em você, meu bem! A Renata tem as pernas tortas, mas o que interessa é que ela vai e vem. Na boca ela só tem dois dentes, mas o que interessa é que ela ri pra mim […]” (risos). Dá vontade de rir com essa música. Pode rir!

Depois fui crescendo e entendendo que o mundo queria que eu me tornasse uma pessoa “amarga” por ser mulher. Mas vi que a vida traz desafios para todo o mundo, não só para a mulher e que eu não teria como evitar a cruz do dia a dia, independentemente de ser mulher ou não. Foi então que as coisas que ouvi de minha mãe tomaram mais volume dentro de mim. Fui observando melhor os traços que Deus me deu: a feminilidade, sensibilidade, o ser prestativa e atenciosa, uma pessoa que não desiste, guerreira, forte diante dos desafios, a ponto de concordar com o Salmista: “Que maravilha, meu Senhor, sou eu!” (Sl 138,14)

Com esta partilha o meu desejo é que você mulher veja a sua história e se valorize também. Talvez você não tenha tido alguém, como eu tive, para ajudá-la a entender o seu valor como mulher, mas neste momento você está tendo.

Coloco-me sob a unção do Espírito Santo, para que você entenda que você é uma maravilha simplesmente por ser mulher! Por poder ajudar o mundo a ser melhor com suas capacidades intelectuais, ajudar a sua família com sua presença de esposa, amiga, mãe.

Você já parou para pensar que o que você faz é importante, mas que se você o não fizer outro poderá fazê-lo? Agora o que você é, mulher, ninguém poderá ser no seu lugar. Por exemplo: Você que é casada, a única pessoa que realmente pode fazer o seu marido plenamente feliz e realizado como homem, esposo e pai, é você. Sei que o mundo tem falado e mostrado outras possibilidades, mas você sabe que, mesmo que seja lá no fundo do seu coração, o que o “mundo” fala são falsas verdades.

Como é bom ser mulher para amar um esposo, não é? Sei que temos muitos desafios, o amor entre esposo e esposa é uma conquista, nós o vamos construindo ao longo da vida. Temos nossos altos e baixos, momentos de grande paixão e de grande frieza. Mas, quando temos consciência da força de superação e doação que o ser mulher traz em si, o amor prevalece e não só realizamos nossos esposos, como também nos sentimos realizadas.

Talvez as nossas ansiedades e angústias sejam fruto não só de uma “TPM” [tensão pré-menstrual], mas também das vezes em que perdemos o foco do que é ser mulher. Achamos que temos que trabalhar muito, para ganhar muito dinheiro e gastá-lo ora com nossos filhos, ora com roupas, sapatos e cosméticos, para ficarmos “mais bonitas”; e nos esquecemos de que a nossa essência já é lindíssima e que do que os nossos filhos mais precisam e querem é a nossa presença.

É a nossa presença de mulher que fará dos nossos filhos adultos maduros no sentido afetivo, psíquico e espiritual. E, por consequência disso, teremos menos rugas e seremos menos ansiosas.

Penso que Deus fica muito feliz em ver você se valorizando por ser mulher. Ele a ama muito! Quer mais um “espetáculo” do ser feminino? Deus escolheu a mulher para trazer ao mundo os Seus filhos. Isso é sinal de que somos muitíssimo importantes para Ele! E aqui está a “máxima”: Somos importantes para Deus! E para isso não importa o grau de escolaridade, origem ou cor.

O mundo nos valoriza pelo nosso corpo, pela nossa sensualidade; se temos dinheiro, se temosstatus, se podemos produzir muito. E quando já não temos mais estes quesitos, ele nos descarta. Deus não! Deus nos valoriza tanto, mas tanto, que até depois da morte Ele nos quer junto d’Ele, na Vida Eterna lá no céu.

Pense nisso! Eu também vou pensar. Sempre é tempo de recomeçar e ser feliz!

A você mulher, parabéns pelo seu dia! Parabéns especialmente por você ser tão abençoada por Deus!

Que Ele continue a abençoando!

Maria Renata

Membro da Comunidade Canção Nova.

Fonte: http://clube.cancaonova.com/materia_.php?id=14179

 


MARCIO MENDES: PREPARA TUA ALMA PARA A PROVAÇÃO

março 7, 2014


COMO DISCERNIR QUAL PENITÊNCIA FAZER?

março 7, 2014

Imagem de Destaque

Como discernir qual penitência fazer?

A penitência quer nos fazer lembrar de uma mortificação

Como discernir qual penitência fazer?

Primeiro, a penitência quer nos fazer lembrar de algo, de uma mortificação da nossa carne, de uma mortificação dos nossos sentidos para nos lembrarmos do centro da nossa vida, que é Deus. Então, a penitência tem que ser algo que lhe custe. Por exemplo, não dá para fazer penitência de carne se eu prefiro frango; não dá para fazer penitência de uma coisa que eu não tenha como comer todos os dias. Todos os dias você come caviar? Não tem como você fazer penitência de caviar, sendo que você não come isso todos os dias, então, tem que ser algo que verdadeiramente você vá sentir falta. Por exemplo: “Ah, eu gosto muito de café!” Opá! Se eu gosto muito dessa bebida, isso vai me fazer falta. Então a penitência tem que ser algo que recorde você o ”para que” você a está fazendo.

Se não resistirmos até o fim da penitência, vale a pena recomeçá-la? 

A  Quaresma é um período que se estende por mais de quarenta dias; se formos colocar na ponta do lápis, dá mais de quarenta dias. Quedas, temos que lutar com todo o nosso coração, com toda a nossa alma, para não cair, mas se cairmos, devemos começar de novo e levantar, retomar, começar do zero! O que Deus vai ver é o seu desejo de cumprir aquilo e não verdadeiramente se somente você consegue ou não!

Claro, vai ser uma vitória até para você mesmo quando você chegar no fim dos quarenta dias com a graça de Deus você poder ter resistido. Vamos dizer que você faça penitência de refrigerante, por exemplo. Porque a penitência é diferente do jejum, vou deixar muito claro: a penitência é algo do qual você se abstém; o jejum é uma das refeições das quais você se abstém. Então, eu vou ficar sem tomar refrigerante – aí no domingo de Páscoa, você com aquela alegria: ”Fiquei esse tempo todo, agora vou com essa alegria celebrar”. É claro que você não vai tomar o refrigerante que você não tomou há cinquenta dias.

Mas caiu, começa de novo, retoma, peça perdão a Deus e começa do zero, assim como Deus faz em todas as nossas realidades.

No domingo também é preciso fazer penitência? O que a nossa Igreja diz sobre comer ou não comer carne nas quartas e sextas-feiras da Quaresma? É obrigatório?

Vale a pena explicar o que é jejum e o que é penitência. A Igreja, por tradição, tem os dias de guarda e por tradição as sextas-feiras são dias penitenciais, então, o dia de jejum. O que é jejum? Existe uma diferença clara entre jejum e penitência; existe o jejum da Igreja que é o mais simples. Existe um livrinho do padre Jonas, chamado: ”Práticas de jejum”. O jejum é justamente se abster de uma ou de todas as refeições, em vista de algo. Na sexta-feira como é a tradição da Igreja, é normalmente um dia de se abster de carne, quanto mais a sexta-feira da Quaresma, como a Quarta-feira de Cinzas, também é um dia que nos abstemos de carne, não comemos carne, então o jejum é nessa realidade.

Conheça os tipos de jejuns recomendados:

:: Jejum da Igreja
:: Jejum a pão e água
:: Jejum à base de líquidos
:: Jejum completo


A penitência, como já disse, é algo que você retira, que pode ser algo de alimento ou pode ser algo de atitude. Diácono, domingo é dia de jejum e de penitência, ou, não é? Domingo não é dia de jejum, mas a sua penitência você não precisa parar de fazer no domingo. Suponhamos que eu faça uma penitência quaresmal de não tomar refrigerante, imagina como seria fácil, se eu faço de segunda a sábado e no domingo eu encha a cara de refrigerante.

Como é uma penitência você pode levá-la até o fim da Quaresma. Agora jejum nós fazemos em que dia? A Igreja nos pede que o pratiquemos todas às sextas-feiras da Quaresma e, na Quaresma de uma forma geral, você o vai adaptando conforme a sua realidade e a sua saúde, como é que isso pode ser feito. Agora, domingo não é dia de fazer jejum, eu não posso domingo, por exemplo: “Ah! eu não vou almoçar porque meu coração está penitenciado”. Lembremos: Nós fazemos memória, nós celebramos o tempo que Jesus passou no deserto, nós vamos celebrar a paixão, morte e ressurreição d’Ele, mas sem nos esquecermos de que Jesus Cristo está vivo. Então, domingo é dia de celebrar a ressurreição de Jesus, seja na Quaresma ou em qualquer realidade, por isso, domingo não é dia de jejum. Mas, não ”seja sem vergonha”, você não precisa ficar suspendendo a sua penitência nos domingos não! Você pode vivê-las, tanto no tempo da Quaresma como em qualquer tempo litúrgico.

Veja também:
:: Exercícios quaresmais de conversão
:: Dar tempo para o tempo de Deus! 

Foto Renan Félix
renan@geracaophn.com

Renan Félix é bacharel em história, missionário e seminarista da Comunidade Canção Nova
Outros temas do autor:blog.cancaonova.com/renanfelix
Twitter: @renancn

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=13460#.UxlB1fldVo8

 


PADRE ROGER ARAÚJO: NÃO SE ENTREGUE DIANTE À DIFICULDADE

março 6, 2014


DÚVIDAS SOBRE A QUARESMA

março 6, 2014

Imagem de Destaque

Dúvidas sobre a Quaresma

Quaresma, tempo de recolhimento e de revisão de vida
 

O cancaonova.com reuniu para você algumas dicas de como viver bem os 40 dias de Quaresma e como escolher uma penitência para esse tempo. Por essa razão, nós fizemos uma enquete no Facebook para que os internautas deixassem suas dúvidas a respeito desse assunto. E convidamos o diácono Renan Félix, missionário da Comunidade Canção Nova, para respondê-las.

O que é a Quaresma? E qual é a melhor atitude que o cristão pode ter, durante esse tempo, para que, realmente, este período tenha sentido em sua vida?

A Quaresma é esse tempo litúrgico que antecipa todo o período da Semana Santa, da Morte e da Ressurreição de Nosso Senhor, do mistério Pascal. Então, é um grande tempo que a Igreja nos dá para que possamos preparar o nosso coração, viver verdadeiramente o tempo da Páscoa.

A Quaresma é um tempo de recolhimento para que possamos rever a nossa vida, rever até que ponto a nossa vida de cristão corresponde àquilo que Nosso Senhor nos pede. Ela serve para analisarmos se estamos verdadeiramente amando Deus sobre todas as coisas ou se outras coisas estão dominando o nosso coração. É um tempo de balanço geral em nossa vida, de pararmos, silenciarmos e refletirmos. É bonito como a Liturgia vai nos levando até isso por meio das leituras, das Missas de cada dia. A Liturgia nos conduz a fazermos essa experiência de rever a vida, de fazer dela uma vida diferente e poder entrar no tempo Pascal desejoso de uma vida nova.

Não comer carne nem chocolate, não tomar refrigerante e não abusar das mensagens no celular. Mas do que vale tudo isso?

Vale para colocar Deus como o centro da nossa vida. Achei legal falar das mensagens no celular! Quanto tempo temos demorado nas redes sociais e quanto tempo temos nos dedicado a Deus? Coloque isso na ponta do lápis e você verá quem tem ganhado mais espaço na sua vida. Então, se o tempo do Facebook e do Watsapp têm sido maior do que o tempo que você reza, que se dirige a Deus, você vai entender quem está dominando a sua vida.

Todas as vezes que botamos freio em alguma realidade, principalmente no tempo da Quaresma, é para colocarmos Deus em um centro. Então, o que nós gostamos de comer não nos domina, o que assistimos não nos domina, o que ouvimos não nos domina, porque o nosso amor está todo para Deus.

Diz a Palavra de Deus que onde está o seu tesouro, ali está o seu coração. Infelizmente, muitas vezes, os nossos tesouros estão enterrados em solos que não são os do coração de Deus. Então, a Quaresma é esse tempo. Por isso vale largar o chocolate, o refrigerante, as mensagens, para poder fazer a experiência de colocar o Senhor como o centro na nossa vida. Vale a pena! Por este motivo, temos de recolocar Deus onde Ele deveria estar na nossa vida.

Na mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2014, ele fala sobre a miséria material, moral e espiritual. Ele finaliza dizendo: “Não nos esqueçamos de que a verdadeira pobreza doí. Não seria válido um despojamento sem essa dimensão penitencial. Desconfio da esmola que não custa nem doí.

Nesta Quaresma, como podemos ajudar as pessoas que vivem a miséria material, moral e espiritual? Como seria a caridade nestes três âmbitos? 

A miséria moral é exercer a caridade com uma pessoa que está trilhando um caminho errado, é chamá-la a exercer um pouco da verdade, aconselhá-la e mostrar a ela que existe outra realidade. Por exemplo, se você conhece um amigo da faculdade que está trilhando um caminho de bebida, de alcoolismo, chame-o, gaste do seu tempo com ele para poder instruí-lo e, talvez, tentar tirá-lo dessa realidade de miséria moral.

A miséria espiritual vai para o mesmo caminho. São pessoas que, às vezes, precisam de uma palavra, de um consolo ou aconselhamento. são pessoas que precisam ser ouvidas, precisam de alguém que se sente e as escute. É uma miséria espiritual, ou seja, ela tem a necessidade de alguém que reze com ela, que a assuma em oração. Nós podemos sanar a miséria espiritual dos nossos irmãos dando-lhes a nossa vida em oração, sentando com eles, rezando por eles.

A miséria moral e a espiritual estão muito relacionadas ao nosso tempo, à nossa vida. Mas existe a miséria material, sobre a qual o Papa está insistindo. Como a Igreja pensa as práticas da Quaresma: oração, jejum, penitência, caridade e esmola? A oração nos leva para Deus quando nos lançamos para Ele. Quando revemos, na nossa vida, tudo o que está em excesso, aí entra a necessidade de jejum e penitência. Mas se isso parar apenas na nossa vida, e não transbordar na vida do irmão, não tem valor. É aí que entra a caridade e a esmola.

A sintonia é perfeita, porque nós nos lançamos em Deus, avaliamos nossa vida e refazemos o nosso relacionamento com Deus. Refazemos as coisas, refazemos nosso relacionamento com os irmãos, com a caridade que ela pode se dar nesse sentido; de se dar tempo, mas também no sentido concreto material.

Veja também:
:: Exercícios quaresmais de conversão
:: Dar tempo para o tempo de Deus! 

Então, vamos para o exemplo: eu faço uma penitência de não tomar refrigerante, vou pegar essa que é uma bem simples, durante toda a Quaresma, aí você calcula, quanto eu gasto por dia com refrigerante. Ah, eu gasto dez reais de refrigerante por semana, eu transformo aqueles dez reais em esmola para uma família que precisa.

Este é o sentido da esmola, aquilo que a gente jejua e que gastaria algo, entregamos aos pobres. De ir ao encontro, de fazer um rateio, de chamar outras pessoas. Os seus dez reais, mais os dez reais de outro; porque não faz uma cesta básica para uma família que está passando fome? Então, temos um costume muito egoísta: Ah tá bom, vou ficar sem tomar refrigerante, vai me sobrar dinheiro. Não esse dinheiro não é seu e, sim do outro! É por isso, que a Igreja sempre nos propôs essas três realidades juntas. Porque elas nos lançam nos outros, elas nos lançam na realidade dos outro. Agora, uma realidade que fica fechada no meu relacionamento com Deus e, na minha vida de uma conversão interior e não transborda em amor por outro.

O Papa Francisco fala muito da cultura do encontro, de ir ao encontro do outro. Ela vai ser uma Quaresma estéril, sem fecundidade, porque ela vai ser igual a um tripé com o pé quebrado, ela não vai ficar de pé. Agora, se eu revejo o meu relacionamento com Deus com oração, revejo o meu relacionamento com as criaturas, com as coisas, com o jejum e com a penitência e revejo o meu relacionamento com meu irmão com a caridade, aí eu me coloco em uma Quaresma concreta. Pode ser alguém que você precise dar perdão, que você precise perdoar, que você precise ir ao encontro. Alguém que você vacilou com ela e, você precisa pedir perdão por este ato que fez. Isso tudo é maneira concreta de viver a caridade e de ir de encontro com essa miséria moral, espiritual ou real que, muitas vezes, as pessoas se encontram.

Continue lendo essa entrevista

Conheça os tipos de jejuns recomendados:

:: Jejum da Igreja
:: Jejum a pão e água
:: Jejum à base de líquidos
:: Jejum completo

 

Foto Renan Félix
renan@geracaophn.com

Renan Félix é bacharel em história, missionário e seminarista da Comunidade Canção Nova
Outros temas do autor:blog.cancaonova.com/renanfelix
Twitter: @renancn

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=13459#.Uxg7pj9dUSM