PADRE LÉO: RETIRE SUA MÁSCARA

fevereiro 8, 2019


MINHA VIDA TEM SENTIDO?

fevereiro 8, 2019

MINHA VIDA TEM SENTIDO?

Shutterstock

Para onde eu vou? Qual é o sentido da minha vida, qual é o propósito, quem sou eu, qual é a minha vocação, qual é a minha missão? Estas são perguntas fundamentais e que têm acompanhado muito a experiência de inúmeras pessoas.

No mundo contemporâneo, escutamos muito palavras como crise ou vazio existencial. O ser humano precisa encontrar coerência no mundo em que vive para se situar existencialmente. Ele vive em um mundo ordenado física e biologicamente, mas sua mente, além de ordenada, é ordenadora. A confusão e a ambiguidade são vivenciadas como fontes de tensão e desprazer. Situar-se existencialmente implica em responder com sinceridade às perguntas fundamentais, sabendo que cada um é responsável por descobrir o sentido de sua própria vida. E, na busca deste sentido, a angústia, o vazio e o tédio se dissipam.

Vamos abordar este tema a partir de algumas visões psicológicas, para depois colocar o pano de fundo a partir da fé.

Shutterstock

Na área da Orientação Vocacional e Profissional, um autor muito conhecido é Rodolfo Bohoslavsky, que trabalha os conceitos de identidade vocacional e identidade profissional. A primeira é um conceito que visa responder ao ‘porquê’ e ‘para quê’ do caminho da identidade ocupacional. Quer dizer, está mais relacionado ao ser pessoal. E o segundo conceito, de identidade profissional, visa mostrar as diferentes identificações pessoais para saber o que a pessoa quer fazer e como fazer.

Para podermos aprofundar o conceito de sentido de vida, vamos tomar, em primeiro lugar, como teoria base a Logoterapia, que tem como fundador Viktor Emil Frankl (1905-1997). Frankl concebeu a modalidade de psicoterapia por via do sentido da existência humana já na década de 1930 e, por ocasião da II Guerra Mundial, validou pessoalmente suas concepções teóricas nos campos de extermínio nazistas como prisioneiro comum, registrando-as, após a sua libertação, em seu livro Em busca de sentido: Um Psicólogo no Campo de Concentração.

Na Logoterapia podemos afirmar que o homem é guiado pela consciência para encontrar um sentido. Este sentido é intuitivo, pois se trata de buscar a missão que a pessoa há de realizar, seguindo a sua consciência. Para terminar, Frankl entende que as neuroses são fruto da perda do sentido (neuroses noogênicas).

Shutterstock

Estas visões psicológicas dialogam – ou podem dialogar – com a visão de que uma pessoa com fé, por exemplo um católico, está chamada a enfrentar este perigo da perda do sentido. Em primeiro lugar, se alguém tem a Deus acima de todas as coisas, a sua vida estará sempre cheia de sentido e, assim, poderá levar este sentido para mais pessoas. As pessoas que às vezes perdem o sentido das suas vidas chegam até a considerar que não sabem para que foram criadas por Deus.

Somos criaturas. O homem é um ser pessoal criado, é imagem e semelhança de Deus; esta é a sua dignidade. Isto nos leva à seguinte reflexão: se realmente conhecêssemos o mistério de Deus e a nova vida à qual estamos chamados, sempre poderemos permanecer n’Ele, e nossas vidas estarão plenas de sentido. Isto é central para o cristianismo que estamos chamados a viver neste século XXI.

Dante Ricardo C. Aragón, scv
Sodalício de Vida Cristã

Fonte: https://www.a12.com/redacaoa12/espiritualidade/minha-vida-tem-sentido


FELIZ 2019

dezembro 31, 2018
Resultado de imagem para feliz ano novo imagem
Deus é poderoso para fazer infinitamente mais, na vida de qualquer um que colocar sua fé nEle. Nosso Deus é o mesmo Deus que partiu o Mar Vermelho e alimentou mais de cinco mil pessoas com apenas alguns pães e peixes. Ele também deseja fazer grandes coisas através de nós, porém, infelizmente, não temos dado muitos desafios a Ele por causa de nossos sonhos pequenos e orações superficiais e egoístas.
Por isso, vamos sonhar grandes sonhos para Deus! Vamos adorá-lo pela Sua grandeza e abandonar todo medo e falta de fé. Só assim começaremos a viver os planos maravilhosos que Ele tem para nossas vidas!!
“Por isso tenhamos confiança e cheguemos perto do trono divino, onde está a graça de Deus. Ali receberemos misericórdia e encontraremos graça sempre que precisarmos de ajuda” Hebreus 4,16
Que 2019 seja um ano de muita benção, paz, amor, saúde e prosperidade para todos, em nome de Jesus!!!!
Bom dia!
Deus te abençoe poderosamente!

PADRE CHRYSTIAN SHANKAR: QUER SER FELIZ? APRENDA A TAMPAR OS OUVIDOS!

dezembro 13, 2018


ESTOU EM DEPRESSÃO. O QUE FAZER?

dezembro 13, 2018

ESTOU EM DEPRESSÃO. O QUE FAZER?

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão será a doença mais comum do mundo em 2030! Por isso, a importância de se falar sobre ela.

Shutterstock

Depressão é um termo que vem do latim de (baixar) e premere (pressionar), que literalmente significa “pressão baixa” ou “apertar firmemente para baixo”. Este termo é utilizado na Psicologia para designar um transtorno ou distúrbio de humor, caraterizado por uma tristeza profunda, sentimentos de desesperança e baixa autoestima. Este transtorno geralmente se manifesta por meio de um conjunto de sintomas, entre eles: humor deprimido na maior parte do tempo, diminuição do interesse e da experiência de prazer em diversas atividades, insônia ou hipersonia quase todos os dias, fadiga e perda de energia, capacidade diminuída para pensar ou se concentrar, etc.

A depressão também nos coloca numa situação de estarmos presos mentalmente, e buscamos a solidão e o isolamento da família e dos amigos. Há uma relação estreita entre o transtorno de ansiedade e a depressão, pois muitas vezes, o quadro de ansiedade excessiva chega a um estado ansioso depressivo. Diante deste transtorno da depressão, é muito importante buscar ajuda, especialmente de um psiquiatra e um psicoterapeuta.

Shutterstock

Uma das principais características das pessoas em depressão é a condição de vítima. Estar nesta condição provavelmente nem é culpa da própria pessoa, pois seus mecanismos de defesa estão alterados por questões biológicas, psicológicas e até espirituais, uma vez que a depressão é uma doença que modifica muita coisa. A pessoa acometida por esta doença começa a apresentar sintomas como desânimo, tristeza, pensamentos negativos, vontade de morrer, isolamento e falta de energia para atividades simples. Isto interfere nas respostas a situações de estresse, no convívio com as pessoas, na rotina de uma vida saudável.

Leia MaisEstou grávida. E agora?Quero ouvir maisQuero conhecer JesusO tratamento deste transtorno não tem que ser necessariamente por meio de medicamentos, pois, hoje em dia, há um abuso na utilização de diazepínicos, os chamados “tranquilizantes” ou ansiolíticos, que podem até vir a deteriorar a sua saúde física e mental. Pode-se buscar, também, técnicas de meditação, como a muito difundida mindfulness, ou exercícios físicos, já que estes, ao produzir neurotransmissores, ajudam na prevenção da depressão.

É necessária a busca de uma síntese, pois pensamos que somente o remédio não trará uma solução; uma síntese que considere a medicação como importante em alguns casos, mas que utilize do tratamento psicoterapêutico aliado a outras técnicas (meditação, relaxamento, atividades físicas), que é extremamente importante para o sucesso do tratamento.

Por último, é sempre importante lembrar que as pessoas que sofrem estes transtornos são uma unidade bio-psico-espiritual. Uma recomendação é que elas mesmas olhem para si como um ser integral e não com uma visão desfigurada ou negativa de si, do mundo e dos outros. Às pessoas que passam por alguma depressão, eu desejo que sempre tenham uma visão integral e holística delas mesmas. Então, uma recomendação seria que elas, ao se verem como um ser integral, lutem com a ajuda necessária. Isto é preferível a ficar na condição de vítimas, vivenciando uma visão desfigurada, incompleta ou negativa de si mesmas, dos demais e do entorno, levando à estagnação ou à busca de caminhos incertos.

Lembremos, principalmente, que a fé nos leva a confiar em Deus, mas também não esqueçamos que Ele também confia em cada um de nós, pois temos uma missão para cumprir neste mundo.

Dante Ricardo C. Aragón
Sodalício de Vida Cristã
Mestre em Psicologia

Fonte: https://www.a12.com/redacaoa12/espiritualidade/estou-com-depressao-o-que-fazer

 


PADRE CHRYSTIAN SHANKAR: OS 7 CONSELHOS PARA TER UMA FAMÍLIA FELIZ

dezembro 5, 2018


MENINO DA CAÇAMBA

dezembro 5, 2018

MENINO DA CAÇAMBA

O que seria de nossas cidades sem o serviço do recolhedor de entulhos, com suas caçambas milagrosas que fazem desaparecer de nossas vistas tudo de imprestável produzido em nossas construções? Construímos muito, mas descartamos bem mais. Muito daquilo que classificamos como imprestável faz falta na edificação de outros lares, aqueles que seriam a vida sonhada por muitos. A sobra de uns é migalha essencial a outros.

Não é de desigualdade social nosso assunto. Digamos ser este um ingênuo conto de Natal. Perambulando por nossas avenidas, ruas e vielas é impossível não notar essas caçambas modernas que a civilização inventou para despejar seus descartes. Ironicamente, muitas destas ocupando vagas de idosos, carga e descarga ou mesmo de cadeirantes, deficientes. Outras na contramão do fluxo normal ou simplesmente impedindo acesso à garagem do pobre contribuinte. Tão ou mais irregular que o veículo de placas clonadas, a carroça a tração animal ou humana que nunca respeita leis de trânsito e por aí vai. O pobre catador é quem faz a festa em meio a tanto caos e dejetos.

Um deles, no entanto, num dezembro de entulhos ricos, recicláveis valiosos e descartes preciosos, encontrou um dia uma caixa de papelão atraente e volumosa, com um selo de loja de luxo, mas conteúdo misterioso envolto em fina seda. Que fazia ali aquela caixa? Levou-a cuidadosamente para seu barraco, pensando fazer presente à companheira de infortúnios, a mãe de seus filhos. Depositou a caixa numa mesa de centro, cambeta, porém ainda útil. Reuniu mulher e filhos e, num ritual quase religioso, começou a desembrulhar as peças. Primeiro encontrou uma ovelha, depois outra, mais outra. Logo veio um boi, um cavalo, outro boi, uma vaca leiteira. Ah, que bom se esta fosse realmente leiteira, pensou, olhando para a tristeza desnutrida do caçula no barraco.

Continuou a desvendar os mistérios daquela caixa. Já não atinava para o sentido daquele zoológico de peças, quando encontrou o que seria a imagem de um rei, um rico e portentoso rei da antiguidade, que trazia consigo um precioso baú repleto de moedas de ouro. Logo encontrou outro rei, com traços asiáticos, depois outro, de pele negra. Quem seriam tão estranhas figuras? Mas ao mistério do tríplice reinado, recordando uma trindade quase santa de poder e glória, seguiram-se enigmáticas figuras de pastores e aldeões, gente simples, gente do povo como eles, catadores e sobreviventes das mesas ricas que lhes davam suas sobras, seus entulhos. Gente como a gente, pensou!

Depois descobriu a imagem da simplicidade em pessoa, representando um venerável senhor de tez serena, cajado de apoio a longas caminhadas que certamente já fizera. Seu olhar era de contemplação a algo reluzente. Tinha os traços de um ancião feliz, um zé ninguém sem muitas realizações senão aquelas que evidenciavam a consciência de um homem justo. A esposa do catador foi quem desembrulhou a peça seguinte: bela imagem de uma jovem mulher! A imagem perfeita de u’a mãe amorosa, exclamou em alta voz, enquanto a depositava com extremada devoção e encantamento bem ao centro da mesinha cambeta, calçada agora com a responsabilidade de não destruir aquelas peças dum quase quebra-cabeças que encantava a todos.  A jovem Maria, como tantas marias de lutas e infortúnios que bem conhecia, aquela Maria lhe transmitia força e serenidade nunca sentidas antes. Depositou-a carinhosamente ao lado da imagem apaixonada do seu bom José.

Por fim, restou um último e misterioso embrulho. Em partes descobriram o que poderia ser um comedouro de animais, um cesto de ração ou coisa assim, pois era uma peça totalmente descaracterizada, lembrando vagamente um berço de criança. A surpresa maior veio a seguir: a imagem radiante de um bebê, mas com o nariz quebrado. Teriam que lhe providenciar outro berço. Tal qual fizeram para o caçula da família, adotado sim, mas que num dezembro como este encontraram numa caçamba, tirintando de frio e com o nariz também quebrado. Emanuel era seu nome, o mesmo nome do juiz que concedera ao casal de catadores a guarda daquele menino da caçamba…

WAGNER PEDRO MENEZES 
www.meac.com.br

Fonte: http://catequesecatolica.com.br/site/menino-da-cacamba/